Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 21h57.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa do Brasil

Alterada em 09/03 às 21h59min

Com gols de pênalti, Vasco e Vitória empatam pela Copa do Brasil no Rio

Em uma partida com emoção até o fim, o Vasco arrancou o empate por 1 a 1 contra o Vitória, no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil, nesta quinta-feira. Os dois gols saíram em pênaltis no segundo tempo. Primeiro, Patric marcou para os visitantes e depois, já no acréscimos, Nenê deixou tudo igual em São Januário.
O confronto caminhava para um desfecho desanimador para os vascaínos. Com um a mais durante todo o segundo tempo, o time carioca viu o adversário abrir o placar após o erro do colombiano Manga Escobar, que colocou a mão na bola dentro da área e cometeu penalidade. Aos 47 minutos, entretanto, Nenê foi derrubado por David. O próprio camisa 10 cobrou e deu números finais ao duelo.
Com o resultado, a definição do classificado na partida de volta, marcada para a próxima quinta-feira, no Barradão às 19h30, segue em aberto. Por ter marcado fora de casa, o Vitória joga por um empate sem gols. Já o Vasco avança com a vitória por qualquer placar, ou empate por dois gols ou mais.
O JOGO - O primeiro tempo não foi de grandes oportunidades para ambos os lados. Aproveitando o apoio da torcida e os espaços deixados pelo lado esquerdo da defesa adversária, o Vasco foi quem tomou a iniciativa. Foi por lá que Nenê fez bonita jogada e colocou na cabeça de Thalles, que cabeceou para boa defesa de Fernando Miguel. Com a ausência de última hora de Wagner, entretanto, os donos da casa sofriam para criar pelo meio.
Do outro lado, o Vitória apostava nos contra-ataques. Em uma de suas raras descidas ao ataque, o time assustou o goleiro Martín Silva, com Paulinho, que finalizou da intermediária, rente ao gol vascaíno. Se já não se mostravam dispostos a propor o jogo, os baianos se fecharam de vez após a expulsão do lateral-esquerdo Euller, que cometeu duas faltas em Kelvin e deixou o jogo mais cedo.
Com um homem a mais, o Vasco voltou para o segundo tempo querendo a vitória. Em cinco minutos, conseguiu levar mais perigo do que em toda a primeira etapa. Na mais clara das chances, Nenê recebeu na direita e rolou para Kelvin, que furou. A bola ficou limpa para Thalles, mas o centroavante isolou para o desespero da torcida cruzmaltina.
Tentando reorganizar o Vitória e impedir a pressão vascaína, o treinador Argel Fucks sacou o atacante Paulinho e colocou o lateral Geferson. Pouco depois, foi a vez de Cleiton Xavier dar lugar para David. As alterações surtiram efeito e, mesmo em desvantagem numérica, o time abriu o placar, em cobrança de pênalti.
Aos 22, Manga Escobar foi desarmado por Kanu e colocou a mão na bola dentro da área. Na cobrança do pênalti, Patric bateu alto no canto direito, sem chances para Martín Silva. Atrás do placar, o Vasco partiu com tudo em busca do empate, mas esbarrou na trave, com Gilberto, que cabeceou no poste depois de cruzamento de Nenê.
De tanto insistir, o empate veio aos 47 minutos, com Nenê. O camisa 10 foi derrubado por David dentro da área e viu o árbitro Elmo Alves Resende Cunha anotar o pênalti. Na cobrança, o próprio camisa 10 bateu do lado esquerdo e garantiu a igualdade
O Vasco agora volta as suas atenções para o Campeonato Carioca, pois no próximo domingo estreará na Taça Rio, no Engenhão, diante do Macaé. No mesmo dia, o Vitória receberá o Botafogo da Paraíba pela Copa do Nordeste.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia