Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de março de 2017. Atualizado às 16h33.

Jornal do Comércio

Expodireto 2017

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 13/03/2017. Alterada em 13/03 às 16h35min

Monitoramento e busca de economia de energia na irrigação

Expodireto 2017
Na foto: Siegfried kwast ( Diretor Superintendente da Fockink e Vice-Presidente da Câmara Setorial para Sistemas de Irrigação da Abimaq )

Kwast diz que as soluções entregues como serviços alteram a fonte de ganhos das empresas


MARCO QUINTANA/JC
Do armazenamento à irrigação, o uso de sistemas para gerir a eficiência do maquinário instalado no campo entrou no foco das empresas que atuam com irrigação e condições de armazenagem.
O superintendente da Fockink, Sigfried Kwast, diz que o perfil do produtor está mudando, já está mais ajustado com a automação e está levando as fabricantes a apresentarem solução.
A empresa levou à Expodireto o terminal gerenciador de armazenagem, que permite que o agricultor tenha visão de tudo que ocorre dentro dos silos. Mas ele precisará fazer a gestão das informações, mais bigdata. Para Kwast, a gestão de dados permite contornar até a carência de mão de obra.
"Os sistemas automatizados permitem gerenciar à distância", acessando e alterando as especificações de controles de temperatura, umidade e outras variáveis, lembra Kwast. "Como os filhos estão assumindo a propriedade, acho que eles vão saber aplicar muito isso." Para ele, mais que máquinas, as empresas estão fornecendo serviços. "Antes, eram 5% da receita, agora já significam 50%", contrasta o executivo.
Na irrigação, um dos segmentos da empresa, o superintendente da fabricantes de pivôs diz que mesmo a supersafra não reduziu a procura e que, neste ano, deve ter 15% de aumento na comercialização na feira, ante 8% de 2016.
No ano, a taxa deve se manter no setor, segundo estimativa da Câmara Setorial de Sistemas de Irrigação da Abimaq. Parte do impulso no Estado vem da agilização das licenças ambientais, com redução para quatro meses para liberar, o que antes levava até um ano e meio.
Na feira de Não-Me-Toque, a Fockink levou uma novidade que permite reduzir o consumo de óleo diesel, principal combustível dos sistemas. Segundo o executivo, a economia chega a 40%. "As pessoas ficam surpresas, pois seguimos a mesma tecnologia, mas com soluções customizadas."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia