Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de março de 2017. Atualizado às 08h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 31/03/2017. Alterada em 30/03 às 21h26min

Fusão de BM&FBovespa e Cetip gera a empresa B3

A empresa resultante da fusão de BM&FBovespa e Cetip se chamará B3. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, uma semana após o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovar a junção das empresas. Edemir Pinto, presidente da BM&FBovespa e que seguirá à frente da nova companhia até o fim de abril, afirma que, com a fusão, a empresa se torna a quinta maior bolsa do mundo. O valor de mercado da nova companhia é de US$ 13 bilhões, diz. No fim de abril, Gilson Finkelsztain, presidente da Cetip, assumirá a B3.
Apesar da aquisição, que ficou em quase R$ 13 bilhões, os executivos da companhia afirmaram que pretendem reduzir rapidamente o endividamento da empresa. Parte da aquisição foi financiada com a venda de ações que a BM&F detinha da norte-americana CME. A empresa também emitiu debêntures e pediu empréstimo com vencimento em um ano. A meta é que a dívida bruta represente uma vez a geração de caixa anual da empresa (Ebitda).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia