Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 10h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

30/03/2017 - 10h13min. Alterada em 30/03 às 10h13min

Taxas futuras de juros sobem à espera do leilão do Tesouro

Os juros futuros sobem na manhã desta quinta-feira, 30, em meio à avaliação de que o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) serviu apenas para reforçar a aposta já existente no mercado de que a Selic cairá 1 ponto porcentual, para 11,25% na reunião de abril, segundo operadores. Há expectativas sobre o leilão de títulos do Tesouro, que ampara um viés de alta.
Às 9h20min, as taxas mais curtas eram as mais negociadas. O DI para julho de 2017 exibia 10,990%, de 10,980% no ajuste de quarta-feira. O DI para janeiro de 2018 estava em 9,860%, de 9,825% no ajuste anterior.
As vendas no varejo ficaram em segundo plano num primeiro momento e os cortes de gastos, disse um profissional, estava "precificado".
As vendas do comércio varejista caíram 0,7% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal, abaixo do intervalo das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast (queda de 0,30% a alta de 1,50%, com mediana positiva de 0,60%. Na comparação com janeiro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram recuo de 7,0% em janeiro de 2017 - pior que as projeções (de queda de 3,30% a 5,50%, com mediana negativa de 4,20%). As vendas do varejo restrito acumularam retração de 7,0% no ano e queda de 5,9% em 12 meses.
No RTI, o Banco Central avalia que a queda na inflação espalhada por mais setores fortalece a chance de cortes de juros maiores nas próximas reuniões do Copom, em comparação às duas últimas decisões do colegiado. Em ambas as ocasiões o corte na Selic - atualmente em 12,25% ao ano - foi de 0,75 ponto porcentual.
Já o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou alta de 0,01% em março ante avanço de 0,08% em fevereiro, a mais baixa para o mês desde 2009 e dentro do intervalo das estimativas (-0,05% e +0,22%), e abaixo da mediana de 0,05%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia