Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

29/03/2017 - 22h10min. Alterada em 29/03 às 22h54min

Goldman Sachs: governo fez 'o necessário' para entregar meta de déficit primário

Com as medidas anunciadas nesta noite desta quarta-feira (29), o governo fez "o necessário" para entregar a meta de déficit primário de R$ 139 bilhões em 2017, comentou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Alberto Ramos, diretor de pesquisas econômicas para a América Latina do banco Goldman Sachs. "O ideal não é elevar a carga tributária, mas reduzir o gasto", comentou.
"Neste contexto, seria muito importante que o Poder Executivo adotasse ações para diminuir a rigidez estrutural das despesas federais", disse Ramos. Além da reforma da Previdência, ele citou que seria relevante combater a indexação.
"Eu acredito que o governo vai cumprir a meta fiscal deste ano, pois mostra comprometimento e age para que o déficit primário não ultrapasse os R$ 139 bilhões", destacou Ramos. "Se em 2 meses o Poder Executivo perceber que a meta corre risco de não ser atingida, ou porque o crescimento do País será menor ou porque a inflação apresenta maior desaceleração, poderá adotar mais medidas."
Na avaliação de Alberto Ramos, a conjuntura econômica do País deverá gerar um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,6% neste ano. Diante da inflação bem comportada, que ele prevê em 4,2% em 2017, o Banco Central irá cortar os juros em um ponto porcentual na reunião de abril, segundo Ramos, movimento de redução da Selic que deverá levá-la para 8,75% ao final do ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia