Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 18h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 29/03 às 19h02min

Libra perde força com início formal do Brexit e cai ante o dólar

O início formal do processo de saída do Reino Unido da União Europeia (o chamado Brexit) influenciou a libra esterlina, que perdeu forças após a premiê britânica, Theresa May, ter invocado o Artigo 50 do Tratado de Lisboa da União Europeia.
No fim da tarde em Nova Iorque, a libra caía de US$ 1,2451 na tarde de ontem para US$ 1,2442. Já o dólar recuava de 111,16 ienes para 110,95 ienes e o euro caía de US$ 1,0812 para US$ 1,0770.
Nove meses após o plebiscito que definiu a saída do Reino Unido da UE, os britânicos notificaram formalmente o bloco nesta quarta-feira de que irão sair, tornando-se o primeiro país a ativar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa. Investidores estavam esperando pelas negociações formais por semanas, o que limitou a fraqueza da libra ante outras moedas fortes, segundo alguns analistas. "Muitas das más notícias e incertezas têm preço na moeda", disse a TD Securities, em nota.
Nesta quarta-feira, o dólar não apresentou direção definida ante rivais, após ter perdido força nas últimas sessões devido à tentativa falha do presidente dos EUA, Donald Trump, de aprovar o plano de seu partido para a área da saúde na Câmara.
Dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) continuaram a indicar que o BC continua no caminho para elevar os juros mais vezes este ano. Charles Evans, presidente da unidade de Chicago, reiterou nesta quarta-feira o seu apoio a taxas de juros mais altas, acrescentando que vê uma chance crescente de a economia americana ter um desempenho melhor que o esperado. Já John Williams, de San Francisco, afirmou, em um discurso, que "não excluiria mais de três elevações em 2017".
O euro, por sua vez, recuou ante outras moedas fortes, após relatos de que dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) estavam receosos de promover alterações na comunicação da reunião de abril, o que pode significar um abandono da postura um tanto "hawkish" adotada no último encontro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia