Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de março de 2017. Atualizado às 10h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/03 às 10h10min

Juros sobem puxados pelo dólar antes de discurso da presidente do BC dos EUA

Os juros futuros subiam nesta terça-feira (28) puxados pelo dólar, mas na contramão da queda do rendimentos dos Treasuries. Com a agenda diária fraca, sem indicadores locais relevantes nem anúncios de cortes de gastos e alta de impostos, os agentes de renda fixa monitoram o câmbio, que é pressionado antes de um discurso da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no começo da tarde nos Estados Unidos.
Às 9h37min, o DI para janeiro de 2018 exibia 9,855%, de 9,840% do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2019 exibia 9,44%, de 9,41% na véspera. Já o DI para janeiro de 2021 estava em 9,87%, de 9,85% no ajuste anterior.
No radar está a Operação Paralelo, 39ª fase da Lava Jato. Os mandados foram expedidos por ordem do juiz federal Sérgio Moro. A PF cumpre um mandado de prisão no Rio.
Sobre o Orçamento de 2017, o anúncio do contingenciamento e aumento de impostos pode não ocorrer mais nesta terça, segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o governo tem até a quinta-feira, dia 30, para revelar como pretende cobrir o rombo de R$ 58,2 bilhões no Orçamento e então conseguir cumprir a meta fiscal deste ano de déficit de R$ 139 bilhões.
Mais cedo foi divulgado que o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que mede a inflação na cidade de São Paulo, registrou alta de 0,06% na terça quadrissemana de março, acelerando levemente em relação ao avanço de 0,02% observado na segunda quadrissemana do mês. Já o Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) desacelerou para 0,36% em março, de 0,53% em fevereiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia