Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de março de 2017. Atualizado às 20h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

fraude

Alterada em 27/03 às 20h18min

Maggi diz que até agora não foi achado nada que indique risco à saúde

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta noite de segunda-feira (27), que, até o momento, as investigações feitas nos 21 frigoríficos alvos da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, não encontraram nada que trouxesse risco à saúde humana. "Não encontramos nessas plantas nenhum produto que pudesse fazer mal à saúde no momento", disse o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. "Vamos dar à população essa tranquilidade."
Até agora, as amostras passaram por análises físico-químicas, que indicariam, por exemplo, o uso excessivo de ácido sórbico, água injetada nas carnes e outros. Faltam os resultados microbiológicos, que ainda não ficaram prontos. Esses poderão indicar com mais precisão se há riscos à saúde.
No frigorífico Souza Ramos, por exemplo, o problema encontrado até agora foi o uso de amido acima do permitido nas salsichas. No Laticínios SSPMA, os responsáveis pela empresa tentaram impedir a fiscalização. E na Farinha de Carnes Castro, que fabrica ração, foi encontrada matéria-prima vencida.
O Ministério da Agricultura ainda aguarda o resultado de exames feitos em amostras de três plantas onde foram encontrados indícios de risco à saúde pública ou falhas no processo produtivo: Peccin, em Jaraguá do Sul, Souza Ramos e Transmeat, em Balsa Nova (PR). Os resultados deverão ficar prontos em duas semanas, segundo a pasta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia