Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de março de 2017. Atualizado às 12h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 27/03 às 12h46min

México registra superávit comercial inesperado em fevereiro

O México registrou superávit comercial inesperado em fevereiro, uma vez que o crescimento das exportações superou o das importações devido ao aumento dos preços do petróleo e das fortes exportações de bens manufaturados.
O país teve superávit comercial de US$ 684 milhões no mês passado, comparado com déficit de US$ 783 milhões em fevereiro de 2016, informou o Instituto Nacional de Estatística (OIN). O superávit reduziu o déficit nos dois primeiros meses do ano para US$ 2,61 bilhões.
As exportações de petróleo subiram 69%, para US$ 1,91 bilhão, enquanto as importações de gás natural e derivados aumentaram 65% para, US$ 3,05 bilhões.
A estatal Petróleos Mexicanos exportou 1,217 milhão de barris por dia de petróleo em fevereiro, ante 1,085 milhão em janeiro, praticamente inalterada em relação ao mês anterior. O preço médio por barril em US$ 45,16 foi semelhante ao nível de janeiro, mas bem acima do preço de US$ 24,48 em fevereiro de 2016.
O déficit de US$ 1,15 bilhão de fevereiro em produtos petrolíferos foi compensado por um excedente de US$ 1,83 bilhão em bens não-petrolíferos.
As exportações de automóveis aumentaram 4,9% em relação ao ano anterior e contribuíram para o aumento de 5,5% das exportações globais de produtos manufaturados. As importações de bens utilizados nos processos de produção aumentaram 3,2% em relação ao ano anterior, embora o México tenha comprado menos equipamentos e máquinas do exterior, e um peso mexicano mais fraco continuou a pesar sobre as importações de bens de consumo não petrolíferos, que caíram 6%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia