Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 17h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Alterada em 24/03 às 17h07min

Após interdição de lote de paçoca, associação ressalta selo de qualidade do setor

Anvisa proibiu venda de lote por alto teor de substâncias cancerígenas; Abicab diz que empresa não faz parte de programa de qualidade

Anvisa proibiu venda de lote por alto teor de substâncias cancerígenas; Abicab diz que empresa não faz parte de programa de qualidade


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Depois da notícia de que a Anvisa interditou um lote de paçoca em razão da grande quantidade de uma substância tóxica no produto, a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) apontou, em nota divulgada nesta sexta-feira (24), que o Programa Pró-Amendoim, implementado há 16 anos, garante o selo Qualidade Certificada Pró-Amendoim-Abicab às empresas que atendem aos requisitos da legislação e fabricam produtos à base de amendoim totalmente seguros, destinados tanto ao mercado interno quanto aos países para os quais exportam.
Segundo a Abicab, a empresa responsável pelo lote apreendido pela Anvisa, da marca Dicel, não é participante do Programa Pró-Amendoim. As empresas que possuem o selo atualmente são Agtal (Enova Foods), Amenbra, Da Colônia, Dori Alimentos, Kuky (Maritucs), Verinha (Malta & Rezende), Santa Helena e Yoki (General Mills). A associação afirma que todos os participantes do programa possuem 100% de seus produtos em conformidade com a legislação.
Para garantir a credibilidade do programa, as empresas passam por uma rigorosa auditoria periódica de Boas Práticas de Fabricação e Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle, realizada pela DNV-GL, empresa certificadora acreditada pelo Inmetro. Em paralelo, trimestralmente, a mesma empresa monitora nos pontos de venda produtos de amendoim aleatórios, para que eles sejam analisados por um laboratório reconhecido internacionalmente. Caso haja irregularidades, o material é encaminhado às autoridades competentes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia