Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de março de 2017. Atualizado às 18h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 22/03 às 18h39min

Aeroportos do Oriente Médio buscam implementar veto a laptops em voos

Passageiros e companhias aéreas no Oriente Médio apressavam-se para se adaptar às novas regras que proíbem que se leve na bagagem de mão dispositivos eletrônicos como laptops para os Estados Unidos e o Reino Unido. As companhias precisam cumprir essas normas em alguns dias.
Na terça-feira, Washington e Londres disseram que iriam exigir que a maior parte dos dispositivos eletrônicos que não os celulares sejam verificados nos voos diretos de alguns aeroportos do Oriente médio e do norte da África, citando o temor com o terrorismo. Os governos não mencionaram, porém, nenhuma ameaça específica.
Autoridades americanas deram às companhias aéreas afetadas, entre elas Emirates Airline, Qatar Airways e Etihad Airways, até sábado para a adaptação às novas regras. Elas afetam aeroportos em oito países do Oriente Médio e do norte africano, incluindo locais importantes como Dubai e Abu Dabi.
A regra britânica afeta um grupo um pouco diferente de aeroportos. Londres excluiu das restrições Dubai, Abu Dabi, a Cidade do Kuwait e Doha, no Catar. O Reino Unido tampouco estabeleceu um prazo para o cumprimento da norma.
Autoridades da Turquia criticaram publicamente as novas regras e disseram que pressionam Washington para mudar de ideia. Executivos do Oriente Médio reagiram particularmente descontentes com as novas regras, diante da perspectiva de não poder usar seus laptops durante as longas viagens para os EUA. Pais também mostraram-se preocupados, diante do possível comportamento das crianças em voos longos sem esses dispositivos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia