Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de março de 2017. Atualizado às 13h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

fraude

21/03/2017 - 18h21min. Alterada em 21/03 às 18h21min

Renan sobe o tom contra a Polícia Federal no caso da Operação Carne Fraca

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), subiu o tom contra a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) nesta terça-feira (21). Em discurso no plenário da Casa, Renan afirmou que a Operação Carne Fraca, da PF, "explicita o fato de não termos mais limite para nada" no Brasil.
O peemedebista disse que o Senado tem que "colocar uma resistência" contra este tipo de ação e o Supremo Tribunal Federal (STF) deve "fazer a sua parte". Renan avaliou que a Operação Carne Fraca, que investiga corrupção de agentes do Ministério da Agricultura e apontou esquema de venda de carne ilegal, foi desproporcional.
"Como em função de desvio de função, em função de corrupção de servidor público, você mobiliza neste País, em um momento de dificuldade, mil policiais da Polícia Federal?", questionou. Fazendo referência aos responsáveis pelas operações, Renan disse que "esse pessoal, mais do que nunca, está demonstrando que vai forçando a barra, forçando a barra e não há mais limite constitucional".
"Como é que pode, senhor Presidente, o Ministério Público chegar ao cúmulo de fazer vazamentos e dizer que esse vazamento que se fez e que expôs pessoas ao noticiário é um vazamento em off? Isso é uma confissão de abuso de autoridade, e o País tem fechado os olhos para isso. Nós não podemos concordar com isso. Concordar com isso é desfazer o juramento de que nós íamos proteger, defender e nos guiar pela Constituição Federal", declarou o senador.
Renan reclamou que os senadores têm sido impedidos de votar projetos que considera importantes, como o que atualiza a lei de abuso de autoridade, por serem constantemente acusados de tentar atrapalhar as investigações. "O domínio das corporações para além da nossa Constituição já não tem limite. E os argumentos são os mesmos. Aqui, quando nós ficamos contra o supersalário com dinheiro público, disseram: 'Isso aí é contra a Lava Jato'. Quando nós exigimos a votação do abuso de autoridade, disseram: 'Isso aí é contra a Lava Jato'. (...) Até a lista para candidatos, que é uma matéria polêmica, serviu de argumentos para editorial de jornais de que também a lista era contra a Lava Jato. Este País está emburrecendo", afirmou Renan.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
carlos silva 22/03/2017 07h18min
olha só quem está falando, sem mais comentários !!!
Delator 21/03/2017 21h09min
Tem que investigar tudo... e tu fica quieto Reinão...n1) Polícia tem que prender político corrupto;n2) Tem que prender drogarias com pílula de placebo;n3) Tem que prender que faz comida falsa para o povo e ainda com substâncias canceríginas...nPrende tudo e faz pagar caro... e o Renan, ou melhor Reinão, que fique quieto... pois desta forma está claro que está concordando com a corrupção... nAcorda povo brasileiro... estão gostando de comer presunto, salsicha, mortadela, etc... de papelão? Acorda
RAULINO SALES SOBRINHO 21/03/2017 20h21min
O pior ainda está para vir. O desemprego, a falência de empresas e o baque no agronegócio. como fará o Brasil para recuperar o mercado nacional e internacional de carne. Não houve visão econômica do que seria causado ao País e existem interesses cujo grande perdedor político é o Presidente Temer. O povo brasileiro exige a verdade, com urgência.