Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 18h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/03 às 18h18min

Dólar cai em Nova Iorque com dúvidas sobre agenda de Trump

O dólar caiu nesta terça-feira (21), pressionado pelo avanço do euro e também por dúvidas sobre a política fiscal dos Estados Unidos. As dúvidas sobre a agenda do presidente dos EUA, Donald Trump, no Congresso americano pressionaram a divisa do país.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 111,75 ienes e o euro avançava a US$ 1,0812.
No fim da segunda-feira, o debate presidencial na França ajudou a acalmar as preocupações dos investidores de que a candidata Marine Le Pen, cética em relação ao euro, poderia vencer a disputa nas urnas, o que impulsionou a moeda comum. Uma pesquisa realizada logo após o fim do debate sugeriu que o candidato centrista Emmanuel Macron teve o desempenho mais convincente, uma posição ecoada pelos mercados nesta terça-feira. O resultado da eleição francesa tem sido visto como crucial para o desempenho dos ativos europeus.
A libra, por sua vez, avançou para perto da máxima desde fevereiro, após investidores apostarem que a inflação acima do esperado no Reino Unido pressionará o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) a elevar os juros. Isso tenderia a atrair mais dinheiro para o país, em busca de maiores retornos, o que impulsionou a moeda.
Investidores mostravam-se, ainda, com mais dúvidas sobre a direção das políticas fiscais e monetárias nos EUA. Há mais incerteza sobre se Trump conseguirá aprovar as promessas de campanha de reduzir impostos e impulsionar o setor de infraestrutura do país.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia