Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 11h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Intenção de consumo das famílias sobe 1,4% em março ante fevereiro, diz CNC

índice alcançou 78,2 pontos em março

índice alcançou 78,2 pontos em março


PHILIPPE HUGUEN/AFP/JC
A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), índice apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 78,2 pontos em março, alta de 1,4% na comparação com fevereiro e avanço de 0,9% em relação a março de 2016, informou nesta terça-feira (21), a entidade. A CNC destacou, porém, que a ICF segue abaixo da "zona de indiferença", ou seja, abaixo dos 100 pontos.

Os dados mais positivos vieram da percepção sobre o mercado de trabalho. Os dois componentes da ICF ligados ao emprego registraram pontuação acima da zona de indiferença.

O indicador de Emprego Atual atingiu 108,3 pontos, altas de 1,8% em relação ao mês anterior e de 2,5% na comparação com março de 2016. Já a Perspectiva Profissional atingiu 103 pontos, aumento de 1,1% ante fevereiro, mas esse indicador se manteve estável em relação a março de 2016.

O porcentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 31,5%.

Por outro lado, o subitem Nível de Consumo Atual registrou a menor pontuação mensal (51,1 pontos), queda de 2,4% ante fevereiro, e recuo de 4,1% na comparação com março de 2016. A maior parte das famílias, 60,8%, declarou estar com o nível de consumo menor do que no ano passado. Já o componente Compra a Prazo teve aumento de 2,5% na comparação mensal e queda de 5,2%, em relação a março de 2016, informou a CNC.

Para a entidade, os consumidores estão mais preocupados em quitar suas dívidas do que em consumir. "Mesmo com os cortes na taxa básica de juros e a liberação de saques em contas inativas do FGTS, o maior volume de dinheiro em circulação deverá ser usado, primeiramente, na quitação de dívidas e redução do endividamento. Em seguida, ele seguirá para o consumo", diz Juliana Serapio, assessora econômica da CNC, na nota divulgada nesta terça-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia