Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 20/03 às 22h33min

Aumento da presença de ambulantes no Centro Histórico da Capital preocupa lojistas

A Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic) apreendeu mais de 113 mil itens no comércio informal no Centro Histórico da Capital em 2016. Segundo pesquisa do Sindilojas Porto Alegre, o número, embora pareça alto, não coibiu a crescente presença de vendedores ambulantes na região. Em outubro, 54% dos lojistas percebiam o crescimento do comércio informal. Novo levantamento mostra que, agora, 85% dos lojistas sentem o aumento de ambulantes.
Mais de 55% dos comerciantes se sentem prejudicados pela concorrência desleal. Os principais motivos são a venda de produtos iguais ou similares (50%), o fato de atrapalharem a entrada e a saída de clientes (22,5%), a obstrução de vias públicas e a visualização de vitrines (ambos com 15%), e o aumento da insegurança (2,5%). As vendas feitas por ambulantes no Centro movimentaram cerca de R$ 268 milhões em 2016 - apenas R$ 125 milhões a menos do que o comércio formal estimou vender no Natal. Um dos pontos ocupados por camelôs é a Rua da Praia.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia