Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de março de 2017. Atualizado às 15h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

19/03/2017 - 15h14min. Alterada em 19/03 às 15h58min

Temer tem reunião com Maggi sobre efeitos da Operação Carne Fraca

Temer e ministro da Agricultura e Abastecimento fazem primeira reunião sobre impacto da operação

Temer e ministro da Agricultura e Abastecimento fazem primeira reunião sobre impacto da operação


Marcos Corrêa/PR/
O presidente Michel Temer iniciou, no começo da tarde deste domingo (19), a primeira de três marcadas para discutir a crise aberta pela Operação Carne Fraca, deflagrada na sexta-feira (17) pela Polícia Federal. A primeira reunião será com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi.
Em seguida, o presidente recebe os representantes do setor de produção de proteína animal, como os presidentes da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antonio Camardelli, da Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, e do presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), João Martins. O Palácio do Planalto ainda não confirmou a lista completa dos participantes.
Às 17h, o presidente encontra embaixadores de países consumidores da carne brasileira. O governo está preocupado com a repercussão negativa da operação e o impacto que ela poderá ter na exportação de produtos nacionais. A intenção é anunciar novas medidas que levem maior segurança à população brasileira e também ao consumidor do mercado externo em função da Operação Carne Fraca.
Vários países estão exigindo explicações do Brasil por conta das denúncias, entre eles, Estados Unidos e China, grandes compradores do Brasil, além da União Europeia.
Nesse sábado (18), Maggi determinou que três funcionários da Consultoria Jurídica do ministério viajassem para Curitiba, onde estavam centralizadas as investigações da PF, a fim de obter laudos periciais dos produtos relacionados na operação. Técnicos da área de Inspeção Sanitária trabalharam nesse sábado para obter detalhes do processo, que tem 350 páginas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia