Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de março de 2017. Atualizado às 17h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 17/03 às 17h26min

Taxas futuras de juros fecham perto da estabilidade

Os juros futuros encerraram perto dos ajustes anteriores a sessão regular da BM&FBovespa, com viés de baixa nos vencimentos longos. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 (202.305 contratos) fechou com taxa de 10,010%, de 10,005% no ajuste de ontem. A taxa do DI janeiro de 2019 (117.735 contratos) fechou estável em 9,54%. A taxa do DI janeiro de 2021 (125.985 contratos) caiu de 9,99% para 9,97%. O DI janeiro de 2023 (55.250 contratos) fechou em 10,23%, de 10,25%.
Numa sexta-feira de agenda doméstica fraca, todos os principais contratos oscilavam próximos da estabilidade até o começo da tarde, mas durante a jornada vespertina houve um pequeno alívio na ponta longa a partir da aceleração da queda do dólar ante divisas de economias emergentes e também do recuo maior do rendimento dos Treasuries.
Ante o real, a moeda renovou mínimas no meio da tarde, negociada novamente abaixo da marca de R$ 3,10. No exterior, o yield da T-note de dez anos chegou a furar novamente o patamar dos 2,50%. "Como estamos sem grandes novidades, quando o cenário externo melhora, a gente acompanha", disse o estrategista de renda fixa da Coinvalores, Paulo Nepomuceno.
Já a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que descobriu um superesquema de pagamento de propinas a fiscais do Ministério da Agricultura por parte de grandes produtores de carne e frango, não chegou a fazer preço no segmento de renda fixa. O delegado da PF, Maurício Moscardi Grillo, disse que parte da propina arrecadada era destinada a partidos políticos, citando especificamente o PMDB e o PP.
Com a sessão regular já encerrada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que participa das reuniões do G-20, iniciou entrevista coletiva, exaltando os avanços da economia e a necessidade de aprovação da reforma da Previdência. "O Brasil volta a crescer e está fazendo isso de forma robusta. A taxa de crescimento anualizada no fim do ano será em torno de 3%", afirmou. Disse ainda que não há definição sobre aumento de impostos e que será feito o que for necessário para cumprir a meta fiscal, que neste ano limita o déficit público a R$ 139 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia