Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de março de 2017. Atualizado às 09h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Empresas

Alterada em 17/03 às 09h50min

Netshoes busca abertura de capital na bolsa de Nova Iorque

A companhia brasileira Netshoes, dona dos sites de comércio eletrônico Netshoes e Zattini, entrou com pedido de abertura de capital na bolsa de valores de Nova Iorque. Os documentos foram divulgados nesta quinta-feira (16), pela Securities and Exchange Comission (SEC), autoridade reguladora do mercado de capitais nos Estados Unidos.
Caso o pedido seja aprovado, a empresa planeja negociar ações na bolsa com a sigla NETS. Ainda não há data para a oferta inicial de ações (IPO) do Netshoes acontecer.
Procurada pelo Estado, a empresa não pode comentar o assunto - após o pedido de IPO, a companhia deve ficar em período de silêncio até a aprovação pela SEC. Ainda não é possível estimar o valor de mercado da Netshoes nem quanto a companhia deseja captar em sua abertura de capital. Esses valores são, em geral, definidos ao longo do processo de IPO.
Fundada em 2000 pelos brasileiros Márcio Kumruian e Hagop Chabab, a empresa nasceu como varejista de artigos esportivos. Em 2007, porém, ela fechou todas as suas lojas físicas para se dedicar apenas às vendas por meio da internet. Em 2014, a empresa lançou a Zattini, site de comércio eletrônico de itens de moda e beleza.
No documento enviado à SEC, a Netshoes disse que fez 10,3 milhões de vendas em 2016 - crescimento de 20,8% na comparação com 2015. No ano passado, a empresa teve receita líquida de R$ 1,74 bilhão, incremento de 15% em relação ao ano anterior. Já o prejuízo acumulado foi de R$ 151,9 milhões no ano passado, contra R$ 99,5 milhões em 2015. No total, os sites da Netshoes têm 5,6 milhões de usuários ativos, divididos em suas operações no Brasil, na Argentina e no México.
Hoje, 27,8% das ações da empresa são dos fundadores. O restante é dividido entre fundos de investimento: 37,38% são da Tiger Global, 10,6% pertencem à Archy, 8,8% são da Clemenceau Investments e 8,4%, do Riverwood Capital Partners.
A intenção de abrir capital não é nova: discussões na empresa ocorrem desde 2013. A companhia persegue a lucratividade desde 2011, quando começou a cortar custos internamente. Em 2015, a Netshoes chegou a cogitar o IPO, mas desistiu por condições adversas.
A Netshoes não é a única empresa latino-americana que pediu para abrir capital nos Estados Unidos recentemente. No fim de 2016, a argentina Decolar.com também fez o pedido à SEC. Entre as duas empresas, há outra coisa em comum: ambas receberam aportes do fundo Tiger Global, que também investe na startup Nubank. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia