Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 19h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 15/03 às 19h29min

Renan Calheiros critica reforma da Previdência defendida pelo governo

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), voltou a criticar nesta quarta-feira (15), a reforma da Previdência defendida pelo governo. Segundo ele, o governo "já criou muita dificuldade" para a proposta tramitar no Congresso. "O que eu temo é que o governo continue equivocadamente encaminhando essas reformas", disse.
Segundo o líder do PMDB, ele já demonstrou a sua preocupação ao líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), durante reunião da bancada da sigla no Senado. Ele disse que também vai conversar sobre o assunto pessoalmente com o presidente Michel Temer, que marcou um jantar com os peemedebistas nesta noite de quarta-feira.
Para Renan, o governo já "inviabilizou" o Refis, programa que permite a contribuintes pessoas físicas e jurídicas parcelar suas dívidas com o governo federal. "Se continuar com essa influência, o governo vai inviabilizar outras reformas", afirmou, citando as reformas trabalhista e tributária.
Renan não respondeu quais seriam os problemas com a proposta da reforma da Previdência, mas defendeu que todos devem conversar "francamente" e "abertamente". O encontro de Temer com a bancada ocorre um dia após o envio da "lista do Janot" ao Supremo Tribunal Federal (STF), que deve envolver a cúpula do partido.
Questionado se o envio dos inquéritos prejudicará as votações nas Casas, o peemedebista negou. "O Congresso deliberou normalmente em pleno processo de impeachment e continuará deliberando. Vamos votar todas as matérias que sejam de interesse do País", defendeu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia