Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 09h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/03/2017 - 09h48min. Alterada em 15/03 às 09h48min

De olho em Fed e eleição na Holanda, bolsas europeias sobem com commodities

As bolsas europeias operam com volatilidade nesta quarta-feira, dia de eleição parlamentar na Holanda e decisão de juros do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). O viés, porém, é de alta sustentada pelo forte avanço de ações ligadas ao petróleo e mineração.
Às 8h46min (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,19%, Paris valorizava 0,15% e Frankfurt perdia 0,02%. Já a Bolsa de Milão tinha alta de 0,56%, Madri avançava 0,65% e Lisboa ganhava 0,15%.
O mercado segue na expectativa pela decisão de juros do Fed hoje às 15h. Embora esteja praticamente certa uma alta de 0,25 ponto porcentual, os investidores continuam focados no discurso da presidente do Fed, Janet Yellen, marcado para as 15h30min, quando ela poderá oferecer pistas sobre o tamanho do ciclo de aperto monetário neste ano. Embora o viés nas praças seja de alta, o movimento se mostra contido.
Além disso, o mercado monitora também a eleição parlamentar que acontece hoje na Holanda. O crescente movimento do populismo tem ganhado força, assim como o candidato Geert Wilders, do Partido da Liberdade, o que tem preocupado os investidores por sua postura radical. Ele, que defende o fechamento das fronteiras contra a entrada de imigrantes e a saída do país da União Europeia, tem como seu maior rival o atual premiê, Mark Rutte. O término da votação será às 17h e resultados preliminares são esperados ainda hoje.
Se "Wilders for coroado como o vencedor, mesmo que ele não consiga estabelecer um governo, sua forte presença é possível de adicionar mais impulso para a campanha [presidencial] dos franceses, com destaque à candidata de extrema-direita, Marine Le Pen", disse Charalambos Pissouros, analista sênior do IronFX, em nota.
Na pesquisa mais recente à corrida presidencial na França, a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen - que prometeu retirar a França da zona do euro -, venceria o primeiro turno da eleição, mas seria derrotada numa eventual disputa com o ex-ministro da Economia e candidato centrista Emmanuel Macron no segundo turno, de acordo com pesquisa do instituto Ifop/Fiducial.
A sondagem mostra que no primeiro turno, que acontece no dia 23 de abril, Le Pen conquistaria 26,5% dos votos, ante 25% de Macron e 19% do candidato da direita, François Fillon. A campanha de Fillon foi recentemente prejudicada após ele ter sido acusado de arrumar empregos fantasmas no Parlamento para sua esposa e filhos. Já no segundo turno, que está marcado para 7 de maio, Macron seria vitorioso, com 60,5% dos votos, ante 39,5% de Le Pen.
Entre os setores que se destacam está o de commodities. O petróleo sobe mais de 2% se recuperando das recentes quedas e depois do American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) estimar que os estoques de petróleo bruto dos Estados Unidos recuaram 500 mil barris na semana passada. O mercado aguarda agora dados do Departamento de Energia dos EUA, que sairão hoje às 11h30min (de Brasília). No horário acima, as ações da BP avançavam 1,00% em Londres e a Total subia 0,70% em Paris.
Já o setor de mineração é beneficiado depois que os preços do minério de ferro e do aço dispararam em meio à esperança de demanda forte com os estímulos da China nos gastos em infraestrutura e vendas de imóveis. Entre os destaques, os papéis da Anglo American e da BHP Billiton subiam 1,53% e 1,29%, respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia