Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 20h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

banco central

Alterada em 09/03 às 20h48min

Banco Central: assinatura eletrônica para contrato de câmbio reduz custo e burocracia

O diretor de regulação do Banco Central, Otávio Damaso, afirma que a nova regra que permitirá a assinatura de contratos de câmbio por novas ferramentas eletrônicas, como o internet banking ou token, deverá reduzir custos e a burocracia para as empresas e pessoas que realizam operações com moedas estrangeiras.
A regra beneficiará todas as operações de câmbio com valor superior a US$ 10 mil. Pela legislação brasileira, todas as transações com montante acima desse patamar precisam ser formalizados em contrato de câmbio. Montantes inferiores, não precisam ser formalizados. Todas essas regras, inclusive a assinatura eletrônica, valem para empresas e pessoas físicas.
"Teremos ganho de custo e eficiência. Não precisaremos usar papel, impressão ou ter de trazer e levar documentos e não haverá qualquer perda de qualidade na operação", disse o diretor.
Damaso lembra que a instituição financeira responsável pela transação continua obrigada a fornecer total segurança e integridade na operação. As demais regras - como as para evitar lavagem de dinheiro e detalhamento do cadastro do cliente - "continuam exatamente iguais", destaca. "Só estamos formalizando o meio eletrônico", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia