Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de março de 2017. Atualizado às 18h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/03 às 18h30min

Petróleo tem leve queda, com foco em declarações do setor e estoques dos EUA

O petróleo chegou a avançar durante o pregão desta terça-feira (7), mas não conseguiu sustentar a alta, fechando em queda, mas perto da estabilidade. A sessão foi marcada por algumas declarações de autoridades do setor, além da expectativa com o relatório semanal de estoques dos EUA, que sai amanhã.
O petróleo WTI para abril fechou em queda de 0,11%, a US$ 53,14 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para maio teve baixa de 0,16%, a US$ 55,92 o barril, na plataforma Ice.
Mais cedo, o petróleo chegou a avançar, sem muito fôlego, diante de notícias sobre interrupções da produção na Líbia e no Gabão. Entre as autoridades que se pronunciaram, o ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) continuará como o "único catalisador" a estabilizar os preços da commodity, mas afirmou que não haverá medidas do grupo para socorrer o mercado.
O secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, por sua vez, disse que o compromisso de corte entre os produtores de petróleo "continua alto" e que os números de janeiro sobre o acordo para reduzir a oferta são "muito encorajadores".
Há ainda expectativa pelo relatório oficial de estoques de petróleo dos EUA, que sai nesta quarta-feira (8). Antes, às 19h30 desta terça-feira, a API revela seu relatório sobre os estoques do país
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia