Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de março de 2017. Atualizado às 14h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 06/03 às 14h28min

Sem corte de gastos, déficit público pode ser de R$ 182 bilhões, estima Senado

Agência Brasil
Relatório apresentado hoje (6) pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão do Senado que acompanha o desempenho fiscal e orçamentário do país, estima que o setor público consolidado registrará um déficit primário de R$ 182 bilhões em 2017 caso não faça um corte de gastos de pelo menos R$ 38,9 bilhões no orçamento.
A meta de déficit prevista pelo governo para 2017 é de R$ 143,1 bilhões. O setor público consolidado é formado pela União, estados, municípios e empresas estatais.
No fim de março o governo deve anunciar o contingenciamento (bloqueio de verbas) de despesas não obrigatórias. "Se o contingenciamento for perto de R$ 40 bilhões, isso levaria o 2017 a uma moderada contração fiscal", disse o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto.
O 2° Relatório de Acompanhamento Fiscal do órgão também aborda a Previdência Social e estima que, sob as regras atuais, o orçamento público teria de destinar 70% dos recursos para financiar a Previdência a partir de 2030. De acordo com o texto, a velocidade do comprometimento do orçamento é resultado do envelhecimento populacional.
Felipe Salto avalia que é preciso haver mudanças importantes para garantir a sustentabilidade da Previdência e citou a reforma proposta pelo governo e que tramita no Congresso. "O essencial é que a idade mínima de 65 anos seja fixada. Se esse ponto for flexibilizado, dificilmente os resultados positivos do ponto de vista fiscal vão ser verificados", disse.
Em relação às dívidas dos estados, Felipe Salto falou que o projeto de lei complementar  que trata da recuperação fiscal dos estados e do Distrito Federal, pode proporcionar um alívio importante aos mesmos, desde que o Congresso Nacional mantenha as contrapartidas propostas pelo governo. O Relatório de Acompanhamento Fiscal destaca a iniciativa que trata do controle do crescimento dos gastos correntes pela regra da inflação.
"Esse projeto de lei é importante e contribui para o reequilíbrio das contas. Agora, é preciso que o Congresso mantenha as contrapartidas. Se essas não forem mantidas na linha do que o governo federal propôs, dificilmente esse projeto vai ajudar, vai ser mais uma rodada de perdão", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia