Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de março de 2017. Atualizado às 16h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

infraestrutura

Alterada em 03/03 às 16h51min

Asfaltamento da BR-163 renderá economia de R$ 1,4 bilhão ao ano, calcula CNI

A conclusão do asfaltamento da BR-163 renderá uma economia de R$ 1,4 bilhão ao ano, segundo cálculos da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A rodovia, que começou a ser construída em 1973, é hoje o principal gargalo para o escoamento da produção de soja do Centro-oeste para os portos do Norte do País.
As viagens de navio entre o Brasil e a Europa poderiam ser encurtadas em três a cinco dias, se as embarcações partirem dos portos do Norte do País e não dos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), segundo aponta o estudo da CNI "BR-163: quebra de paradigma no Transporte do comércio exterior". A conclusão do asfaltamento é fundamental para a viabilização dessa rota, como mostra o congestionamento de caminhões que se formou na rodovia nos últimos dias.
"Se as obras estivessem prontas, a economia para o Brasil seria enorme em razão da maior proximidade dos portos do Pará com os Estados Unidos, a Europa e a Ásia, importantes destinos de produtos agroindustriais brasileiros", diz o gerente-executivo de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso, em nota divulgada pela entidade. "A conclusão das obras é urgente e colaborará para a retomada da competitividade do produto brasileiro."
Além de permitir um uso mais intensivo dos portos do Norte, a conclusão da obra desafogaria os portos do Sul. Além disso, seria facilitado o trânsito de produtos da Zona Franca de Manaus para os mercados consumidores brasileiros, conclui a CNI.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia