Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de março de 2017. Atualizado às 23h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 03/03/2017. Alterada em 02/03 às 20h23min

Arteflex anuncia encerramento das suas unidades

Carolina Hickmann
Mais uma empresa anunciou o encerramento de suas atividades, desta vez do setor calçadista. A Arteflex Equipamentos de Proteção Individual, especializada na produção de calçados de segurança e alta tecnologia, será descontinuada. Os trabalhadores de Novo Hamburgo e Itanhandu (MG) foram comunicados nesta quinta-feira.
Com isso, os 100 funcionários da empresa no Rio Grande do Sul seguirão trabalhando até o final de março em aviso prévio, de acordo com nota divulgada à imprensa. A decisão faz parte da estratégia do grupo Artecola, ao qual a empresa pertence. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Calçados de Novo Hamburgo, Angélica Nascimento, comenta que recebeu a informação ao mesmo tempo que a imprensa. "Já havia rumores, mas não era oficial", comenta.
Para ela, esta é uma questão ligada as finanças da empresa, e não ao setor. "Costumo dizer para quem fala em crise que ela não teve tanto reflexo no setor de calçados", argumenta a presidente, que não desmente fechamento de postos de trabalho no setor, mas não os considera alarmantes na comparação com outras áreas. "Entre 1994 e 1998 foram demitidas 20 mil pessoas no setor calçadista, isso sim é preocupante", pondera.
Uma assembleia foi marcada para a segunda-feira, às 8h30min, com os trabalhadores na sede da empresa. "Não poderíamos iniciar qualquer negociação com a companhia sem escutar a principal parte interessada, a qual representamos", disse Angélica. Em Minas Gerais, 150 postos de trabalho receberam sinalização de extinção.
Em nota, a companhia alega passar por dificuldades financeiras e "decidiu concentrar suas operações na área química, origem de seus negócios, atuando através da Artecola Química". A empresa assegurou que existe uma equipe voltada ao gerenciamento da produção dos últimos pedidos para que a venda de ativos da empresa seja finalizada.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia