Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 22h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

emprego

Notícia da edição impressa de 02/03/2017. Alterada em 01/03 às 21h31min

Polo naval gaúcho teve 2º maior corte de vagas

Diversos municípios da zona Sul estão sofrendo com enxugamento de pessoal no setor

Diversos municípios da zona Sul estão sofrendo com enxugamento de pessoal no setor


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
Patricia Knebel
O desemprego na indústria naval cresce a passos largos no Brasil. De 2014 (quando começaram as demissões no setor) até 2016, foram fechados 31.322 postos de trabalho, retração de 43,8%.
Eram 71.554 postos de trabalho diretos, contra 40.232 em 2016. Os dados fazem parte de um estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base nos registos do Ministério do Trabalho e Emprego. A pesquisa analisou estaleiros alocados em 15 municípios espalhados em nove estados. 
O Rio Grande do Sul foi o segundo estado mais atingido do Brasil, com o fechamento de 4.627 vagas em Rio Grande e São José do Norte. O Rio de Janeiro lidera esse ranking negativo, com retração de 7.470 postos nas cidades de Angra dos Reis, Itaguaí, Niterói e na capital Rio de Janeiro.
Entre os municípios, Rio Grande, com fechamento de 4.357 empregos, liderou o enxugamento no País. Somente em dezembro houve um corte de 3.089 postos, resultado das demissões da empresa Engevix Construções Oceânicas (Ecovix), que entrou com pedido de recuperação judicial no ano passado.
"Não apenas Rio Grande, mas toda região Sul está sendo muito prejudicada, caso de cidades como Pelotas e Jaguarão. E o pior é que não há perspectiva de volta destes empregos", afirma o vice-presidente da Federação dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul, ligada à CUT, Enio Santos.
Ele conta que, no ano passado, diversas entidades e empresários fizeram movimentos junto ao poder público federal para tentar reverter a situação, o que envolveu encontros com ministros em Brasília. Mas, o resultado não foi o esperado. "Me parece que o projeto é terminar com indústria naval brasileira e passar a fazer plataformas fora do País", lamenta. No dia 13 de março, será realizada uma audiência pública em Rio Grande para discutir o futuro da indústria naval brasileira.
A crise é efeito do escândalo de corrupção revelado pela Operação Lava Jato e que envolve a Petrobras, maior player de exploração e desenvolvimento da produção de petróleo e gás natural. A estatal reduziu investimentos, que atingiram em cheio o polo gaúcho. A situação piorou depois que foram flexibilizadas as regras de percentual de nacionalização dos componentes, que era um dos pilares da política de revitalização da indústria naval instaurada pelo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A economista do Dieese Cristina Pereira Vieceli comenta que a cláusula que alterou o índice de nacionalização fez com que plataformas passassem a ser construídas fora do Brasil, como na Ásia. "Essa situação está impactando o dia a dia das cidades que sediam estaleiros, já que a perspectiva é de que cada emprego gerado no segmento naval gere mais cinco indiretos", relata.
Santos elogia a capacidade de produção da indústria naval brasileiro, bem como a tecnologia e qualidade da mão de obra. "A alegação de que fabricar na China custaria 30% menos não procede, especialmente se pensarmos que o investimento feito no Brasil gera empregos e faz toda economia girar", aponta o sindicalista.
Um estudo do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp de fevereiro aponta que a mudança das regras de conteúdo local afetará a capacidade de geração de valor da cadeia do setor de petróleo aos componentes. A Fiesp estima que a cada R$ 1 bilhão investidos na exploração e produção de petróleo e gás e de bens e serviços geram R$ 551 milhões no PIB e 1.532 empregos. Sem as restrições, o aporte cairia a apenas R$ 43 milhões de acréscimo ao PIB e 144 empregos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia