Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Economia

- Publicada em 01 de Março de 2017 às 18:00

Previsão do IPCA cai para 4,36% neste ano

Os economistas do mercado financeiro voltaram a reduzir suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado ontem, mostra que a mediana para o IPCA - o indicador oficial de inflação - em 2017 foi de 4,43% para 4,36%. Há um mês, estava em 4,70%. Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,50%, mesmo patamar de quatro semanas atrás.
Os economistas do mercado financeiro voltaram a reduzir suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado ontem, mostra que a mediana para o IPCA - o indicador oficial de inflação - em 2017 foi de 4,43% para 4,36%. Há um mês, estava em 4,70%. Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,50%, mesmo patamar de quatro semanas atrás.
Na prática, as projeções de mercado indicam que a expectativa é que a inflação se aproxime do centro da meta, de 4,5%, em 2017 e 2018. A margem de tolerância para estes anos é de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos (inflação de 3% a 6,0%). No comunicado que se seguiu à decisão de política monetária da semana passada, o Banco Central (BC) atualizou apenas as projeções de inflação para o cenário de mercado - que utilizam câmbio e Selic variáveis. A projeção para 2017 foi de 4,4% para 4,2%, e a de 2018 permaneceu em torno de 4,5%. Não houve atualização do cenário de referência, que utiliza Selic e câmbio fixos.
Em sua decisão, o BC reduziu a Selic de 13% para 12,25% ao ano, mas deixou a porta aberta, na avaliação dos analistas, para a intensificação dos cortes nos próximos encontros de política monetária. Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2017 passou de 4,10% para 4,05% no Focus. Para 2018, a estimativa foi de 4,30% para 4,24%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 4,45% e 4,50%, respectivamente.
O Relatório de Mercado Focus mostrou mudança nas projeções para os preços administrados neste ano. A mediana das previsões do mercado financeiro para o indicador em 2017 foi de alta de 5,64% para avanço de 5,61%. Para 2018, a mediana saltou de 4,60% para 4,65%. Há um mês, o mercado projetava aumento de 5,55% para os preços administrados em 2017 e elevação de 4,80% em 2018.
Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a atividade em 2017. Pelo Relatório de Mercado Focus, a mediana das expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em alta de 0,48%. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,50%. Para 2018, o mercado alterou a previsão de alta, de 2,30% para 2,37%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,20%.

Valorização do real é perigosa para a economia, diz banco

Crédit Agricole fez o alerta

Crédit Agricole fez o alerta


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
A economia brasileira ainda está muito frágil para sustentar uma valorização tão grande do real, destacou a equipe de estrategistas do Crédit Agricole. Para o banco francês, investidores estrangeiros estão ignorando o risco político no Brasil, e a avaliação é que o fortalecimento da divisa brasileira é "absurdo e perigoso".
O pior momento do real em relação ao dólar foi em setembro de 2015, quando a moeda norte-americana bateu em R$ 4,21 em meio à crise política no ainda governo de Dilma Rousseff. Neste mês, a divisa dos EUA bateu em R$ 3,05 no último dia 23 e, para os economistas do Crédit, o real pode se valorizar ainda mais no curto prazo. Dois fatores explicam a tendência de valorização do real, de acordo com o relatório do Crédit Agricole. O primeiro é que a taxa de juros no Brasil segue entre as maiores do mundo, o que estimula o chamado "carry trade", quando um investidor toma recursos em uma economia de juro baixo para aplicar em outra de taxa elevada. O segundo fator é a aposta de que o governo do presidente Michel Temer vai conseguir avançar com o ajuste fiscal e empreender outras reformas econômicas, fazendo o País voltar a crescer em ritmo mais forte. Para os estrategistas do Crédit, um dos problemas é que os investidores estão ignorando os persistentes riscos políticos no País, mesmo que Temer esteja usando de todos os meios possíveis para se "fortalecer".
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO