Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 13h57.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 08/03/2017. Alterada em 07/03 às 21h36min

Reforma da Previdência

As reformas da Previdência e trabalhista são os assuntos de todas as rodas nesta semana no Congresso Nacional. No Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer (PMDB) afirmou ontem, ao defender a reforma da Previdência, que quem reclama das mudanças propostas pelo governo na área são as pessoas que ganham mais.
São Paulo tem que topar
O deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB) disse que a reforma trabalhista já deveria ter sido feita há muito tempo. "Todo mundo reclama. O empresário acha que é muito tributo, muita contribuição, muito imposto, e um se sobrepõe ao outro." Ele cita o exemplo de empresas de médio porte que têm 30 pessoas na produção e 40 no escritório para dar conta da burocracia. Na opinião do deputado, "está muito claro que este assunto só vai evoluir no Brasil quando São Paulo topar conversar sobre isso, porque hoje, de cada R$ 100,00 que circula no Brasil, R$ 70,00 praticamente passam por São Paulo, e a indústria está lá".
Só erva-mate
Schuch comenta que, se "a gente abre a dispensa da casa lá no Rio Grande do Sul, só acha erva-mate, que é um produto gaúcho. O resto é de São Paulo, Minas e alguma coisinha do Rio. Acho que tem que criar uma comissão, chamar os entendidos do assunto, governadores, ex-governadores, tributaristas e também os empresários e os trabalhadores que conhecem um pouco disso, até para a gente poder fazer uma análise detalhada e aprofundada do problema", assinala.
Semana Santa
"Nesta semana, aqui em Brasília", conta Schuch, "eu ouvi alguém dizer 'que pena que o carnaval acabou'. Já estou com saudades da Semana Santa. Mas a verdade é que o Parlamento precisa produzir. A reforma da Previdência é uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), ela exige um fórum mais qualificado. Agora, a reforma trabalhista é um projeto de lei. Isso o governo aprova com muito mais tranquilidade ou com muito mais facilidade", avalia. Schuch se preocupa com as duas. "Até porque, aqui, a maioria não é do mundo do trabalho, é do mundo do capital. Portanto a gente já sabe por onde a decisão permeia. Acho injusto por demais quando se fala em reforma da Previdência querer pegar o professor, o homem que trabalha no asfalto, o agricultor que está lá no sol e nivelar todo mundo. Isso é muito ruim."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Jorge 08/03/2017 21h31min
Reforma da Previdência.nSimplificar o sistema, estabelecendo uma alíquota de contribuição menor para todas as pessoas que necessitam e outra alíquota para os demais contribuintes.
Jorge 08/03/2017 21h25min
Reforma da Previdência.nEstender o adicional de 25% aos aposentados por idade que necessitam de cuidados permanentes.
Jorge 08/03/2017 21h21min
Sugestões de Alternativas à Idade Mínima para Aposentadoria.nSoma da Idade com o Tempo de Contribuição;n90M/95H, valor normal da aposentadoria.n95M/100H, acréscimo de 10% no valor da aposentadoria.n
Jorge 08/03/2017 21h11min
Reforma da Previdência.nO Governo quer igualar as regras.nAssim sendo, os segurados do RGPS também terão direito a um fundo complementar igual ao FUNPRESP?