Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de abril de 2017. Atualizado às 18h45.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 03/04/2017. Alterada em 31/03 às 20h26min

Troca de experiência permite levar tendências tecnológicas a grandes companhias

A conexão com as jovens empresas é uma oportunidade de se aproximar das tendências e novas tecnologias que geralmente não estão presentes no dia a dia de uma corporação de indústria de base e de capital intensivo. Foi pensando nisso que foi criado o Braskem Labs, um projeto de aceleração de startups com soluções que utilizem química ou plástico. Já foram duas edições do programa. "Queríamos entender o que elas estão trabalhando, as tendências por trás disso. Por mais inovadores que sejamos, têm coisas que não estão no nosso radar cotidianamente", admite o gerente de Desenvolvimento Sustentável da Braskem e uma das lideranças do Braskem Labs, Luiz Gustavo Ortega.
Tudo começou em 2015, quando 19 operações com foco no plástico foram selecionadas para um programa de mês e meio. No ano passado, esse número foi reduzido para 12, mas que podiam ser também da área de química e que receberam quatro meses de acompanhamento. A edição de 2017 ainda está sendo formatada, porém deve seguir o modelo do ano anterior, com menos aceleradas e mais tempo de dedicação a cada uma.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia