Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h06.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

23/02/2017 - 21h06min. Alterada em 23/02 às 21h06min

Operadores do PMDB retornam ao Brasil 'no menor tempo possível', diz defesa

Os advogados de Jorge Luz e seu filho Bruno, apontados como operadores do PMDB no esquema de corrupção na Petrobras, anunciaram nesta quinta-feira (23), que os dois irão se apresentar às autoridades brasileiras 'no menor espaço de tempo possível, para dar cumprimento aos mandados de prisão expedidos, antecipando seus voos de regresso ao País'. A informação foi dada em nota pelos criminalistas Gustavo Alves Pinto Teixeira e Rafael Cunha Kullmann.
Bruno deixou o Brasil no dia 16 de agosto e seu pai Jorge no último dia 11 de janeiro. Ambos viajaram para os Estados Unidos e, segundo a Operação Blackout, 38º desdobramento da Lava Jato, não havia registro de que tenham retornado ao País.
A defesa afirma que Bruno Luz avisou as autoridades antes de deixar o País e que ambos (ele e o pai) estavam com as passagens de volta já compradas.
Os advogados apresentaram cópias de comprovantes de compras das passagens indicando que Bruno retornaria ao Brasil no dia 6 de julho - mas com retorno à Flórida já programado para o início de agosto - e seu pai no dia 7 de março. O comprovante da compra de Bruno data de 4 da janeiro e o de Jorge de 15 de dezembro. No caso de Bruno, contudo, a compra é de ida e volta e indica que ele retornaria aos EUA no dia 12 de agosto.
Para a defesa, os comprovantes indicam 'a inexistência de qualquer intenção de se furtar à aplicação da lei penal, muito menos de se evadir do pais em caráter definitivo, o que nos leva a concluir que não podem estar foragidos, tanto é assim que até mesmo a cota Ministerial que promoveu o pedido de prisão indica as datas de saída de Jorge e Bruno, muito antes de qualquer decisão judicial que lhes impedisse de ir e vir'
A decisão de Moro decretando a prisão preventiva dos Luz é do dia 15 de fevereiro. "Aliás, é de se dizer que todos ao passos e movimentos dos peticionários eram de ciência das autoridades, veja-se que a defesa em 4 de agosto de 2015 informou à Polícia Federal os motivos da estadia temporária de Bruno Luz no exterior, indicando prazo de permanência e telefone a ser contatado, caso necessário fosse", segue a defesa.
Os advogados argumentam que pai e filho já prestaram depoimentos em investigações que envolvem políticos com foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal. Sendo que Jorge Luz depôs três vezes à PF e seu filho uma vez, "que ambos compareceram quando já se encontravam fora do país", dizem os advogados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia