Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017. Atualizado às 00h04.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 23/02/2017. Alterada em 22/02 às 21h03min

Marchezan não flexibilizará critério técnico, diz Miragem

Procurador-geral diz que assumir secretaria envolve 'sacrifício pessoal'

Procurador-geral diz que assumir secretaria envolve 'sacrifício pessoal'


JC
Lívia Araújo
Mais de um mês e meio após o início da nova gestão municipal, o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), ainda não bateu o martelo quanto à escolha de nomes para as secretarias de Transparência e Controladoria-Geral, e Sustentabilidade e Meio Ambiente. Outra pasta que estava sem titular, a de Gestão e Planejamento, será assumida oficialmente hoje por José Alfredo Parode.
A busca acontece através do Banco de Talentos criado por Marchezan para o preenchimento dos cargos de confiança da prefeitura. Apesar de também haver políticos à frente de pastas importantes, que controlam autarquias de peso da Capital - Elizandro Sabino (PTB) está à frente da Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, e Ramiro Rosário (PSDB) comanda Serviços Urbanos -, o prefeito condiciona a nomeação à definição de um perfil exclusivamente técnico para as duas cadeiras ainda vazias.
Quem assegura isso é o procurador-geral do município, Bruno Miragem. "Ele está sendo fiel ao que definiu no início da gestão, de trazer alguém com conhecimento de sua área, liderança e representatividade desses setores. É uma questão de princípios, pois são áreas importantes do município, tanto Sustentabilidade quanto Transparência", opina.
Segundo Miragem, convites estão sendo feitos, mas "às vezes o sujeito, por razões pessoais e profissionais, não está no momento de assumir um desafio como uma secretaria da Capital, que tem uma demanda de sacrifício pessoal".
Enquanto esses nomes não são definidos, outros secretários acumulam a coordenação das novas pastas. No caso da Sustentabilidade, o responsável é Kevin Krieger (PP), também secretário de Relações Institucionais. "Torço para que chegue logo o novo titular", diz Krieger, que está em meio às discussões sobre as atribuições da pasta quanto à concessão de licenças ambientais.
No caso da reforma administrativa, aprovada pelo Legislativo em 2 de janeiro, Miragem garante o cumprimento do prazo de 120 dias a partir da publicação da medida. "Estamos realizando cerca de três reuniões por semana justamente para poder cumprir esse prazo", diz o procurador, que promete o início da redação do projeto da reforma para logo após o Carnaval.
 

José Alfredo Parode assume pasta de Gestão e Planejamento

Parode foi presidente do IPE
Parode foi presidente do IPE
JC
O ex-secretário estadual de Gestão e Planejamento no governo de Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010), José Alfredo Pezzi Parode, terá hoje sua nomeação na Secretaria Municipal de Gestão e Planejamento de Porto Alegre. Mesmo antes da oficialização, o secretário já iniciou os trabalhos ontem, participando de uma série de reuniões com o procurador-geral do município, Bruno Miragem.
O novo secretário estava, desde 2015, na presidência do Instituto de Previdência do Estado (IPE). Parode é formado em Administração pela Pucrs, com especialização em Finanças e Gestão em Políticas Públicas. Iniciou sua vida pública no Banco de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul (Badesul) e ingressou na Secretaria da Fazenda, em 1984, como agente fiscal do Tesouro do Estado.
Atuou na Secretaria de Coordenação e Planejamento, de 1991 a 1993, e foi diretor administrativo-financeiro da Corlac. Em 1997, voltou à Secretaria da Fazenda, exercendo as funções de diretor do Departamento da Receita, chefe da Divisão de Programação Financeira, chefe da Divisão de Programação Orçamentária, diretor-adjunto do Tesouro do Estado e, a partir de 2008, de diretor do Tesouro do Estado, de onde se aposentou neste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia