Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017. Atualizado às 09h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise financeira do Estado

Notícia da edição impressa de 13/02/2017. Alterada em 13/02 às 10h39min

Dívida previdenciária prejudica venda do Banrisul, diz Agban

Com as especulações sobre a possibilidade de privatização do Banrisul, os servidores do banco estatal têm discutido o tema nas organizações sindicais, como por exemplo a Associação de Funcionários de Empresas do Grupo Banrisul (Agban). A vice-presidente da Agban, Analice Leitão, acredita que a dívida previdenciária do banco com os servidores inativos - que, segundo a associação, girava em torno de R$ 1,1 bilhão em 2015 - deve dificultar qualquer tentativa de privatização do Banrisul.
"Temos muitas ações judiciais contra a Fundação Banrisul (de Seguridade Social), por conta da dívida previdenciária. Isso deve trazer problemas para uma suposta privatização. Afinal, isso influencia inclusive no valor de mercado do banco", analisou Analice. 
Conforme declarações de secretários estaduais, como o titular da Fazenda, Giovani Feltes (PMDB), o Banrisul não deve entrar na renegociação da dívida com a União, ao contrário da CEEE, CRM e Sulgás. O vice-governador José Paulo Cairoli (PSD) disse que o banco "vai ser privatizado um dia, mas não neste governo". O ministro chefe da Casa Civil Eliseu Padilha (PMDB) disse que só o governo do Estado pode decidir sobre isso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia