Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Alterada em 10/02 às 15h46min

Doria quer restringir venda de tintas spray para combater pichadores

Está sendo elaborando outro projeto de lei para restringir a venda das tintas

Está sendo elaborando outro projeto de lei para restringir a venda das tintas


Cesar Ogata/Secom SP/Divulgação/JC
No dia em que a Câmara Municipal de São Paulo vai votar o projeto de lei antipichação, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), já anunciou mais uma ação na guerra contra os pichadores. O tucano disse nesta sexta-feira (10), que está elaborando outro projeto de lei para restringir a venda de tintas spray na capital paulista.
Não foi detalhado prazo, mas Doria afirmou que a medida legal será levada à Câmara "muito em breve". As duas leis - tanto a que prevê multa, quanto a que limita a venda de spray - foram chamadas pelo prefeito de "recadinho" para os pichadores.
"Para comprar, (o consumidor) vai precisar ter identidade e vai ter que assinar documento. Vamos saber quem está comprando a tinta spray e vamos fiscalizar", disse o prefeito. "Tudo o que puder ser feito para limitar a ação desses vândalos, desses bandidos que picham e destroem a cidade, a Prefeitura vai fazer."
Doria teve acesso ao texto do projeto antipichação que será votado na tarde desta sexta na Câmara, mas destacou que a discussão e o resultado da votação dependem de uma "decisão soberana" dos vereadores. O prefeito adiantou que a multa prevista no projeto de lei para quem for flagrado pichando é de R$ 5 mil e de reincidentes serão cobrados R$ 10 mil.
"Se machucar, pintar, pichar algum monumento histórico, seja do Estado, seja do município, seja federal, ainda vai ser responsabilizado pelo custo de reparação. Se não pagar, vai ter que prestar serviços na cidade, em limpeza e pintura", afirmou o prefeito. "Este é um recadinho para os pichadores que teimam em destruir a cidade de São Paulo", finalizou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia