Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 08/02/2017. Alterada em 07/02 às 21h42min

Vereadores criam dois blocos independentes, ambos com siglas da coalizão que apoiou Melo

Pinheiro é do campo 'menos duro'

Pinheiro é do campo 'menos duro'


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/
Marcus Meneghetti
Os vereadores Idenir Cecchim (PMDB) e Doutor Thiago Duarte (DEM) anunciaram a criação de dois blocos independentes na Câmara Municipal de Porto Alegre - o que deve dificultar o trabalho de articulação política do líder do governo Nelson Marchezan Júnior (PSDB), que ainda não foi definido.
A dificuldade se deve ao tamanho dos blocos: o anunciado por Cecchim conta com 10 parlamentares; o anunciado por Duarte (DEM), com oito.  A base do tucano tem 11 vereadores. A oposição ocupa sete cadeiras.
Além disso, a maioria dos partidos que compõem os dois blocos fizeram parte de coalizão que apoiou a candidatura do adversário de Marchezan nas eleições, o ex-vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB). Um deles tem parlamentares do PMDB, PDT, PRB e Pros: além de Cecchim, conta com os vereadores Mendes Ribeiro, Comandante Nádia, Valter Nagelstein e André Carús, do PMDB; Márcio Bins Ely e Mauro Zacher, do PDT; Rodrigo Maroni (PR); e Professor Wambert (Pros).
O bloco anunciado por Duarte tem representantes do DEM, PSB, PRB, PSD e Rede. Também integram os vereadores Airto Ferronato e Paulinho Motorista, do PSB; Mauro Pinheiro (Rede); Alvoni Medina e José Freitas, do PRB; Reginaldo Pujol (DEM); e Tarciso Flecha Negra (PSD).
Cecchim - que também é líder da bancada do PMDB - tem consciência que os blocos devem ser decisivos nas votações de projetos de interesse do paço municipal. "Formamos um bloco consistente. Não vamos dar nem apoio incondicional ao governo, mas também não vamos achar ruim tudo que ele propor. Estamos interessados em Porto Alegre", falou.
O peemedebista evitou fazer uma análise do início do governo Marchezan: "Estamos dando os 120 dias que ele pediu para organizar a reforma administrativa aprovada aqui na Câmara, no começo do ano. Vamos esperar para ver se a redução de secretarias vai diminuir os custos da máquina. Não adianta cortar pastas e não diminuir o número de Cargos de Comissão. Foi o compromisso de campanha dele, que vamos fiscalizar".
Cecchim garantiu que o grupo de vereadores tem demandas. Ele citou uma: "Acho que uma coisa que já deveria ter sido feita por esse governo é agilizar a concessão de alvarás aos empreendedores da cidade. Quando eu era secretário da Smic (Secretaria Municipal de Produção, Indústria e Comércio, durante o governo Fogaça, entre 2005 e 2010), o documento era emitido na hora. Agora o empresário demora uns 40 dias para conseguir uma reunião na sala do empreendedor".
Quanto ao outro bloco, Pinheiro explicou que o que motivou a formação do grupo foram dois pontos: "já estávamos juntos durante a eleição, quando apoiamos o Melo. Além disso, temos bancadas pequenas de apenas um ou dois vereadores. O bloco dá mais peso para essas bancadas".
O parlamentar da Rede também enfatizou que o bloco ao qual pertence se diferencia do outro por ser mais ameno em relação à gestão do tucano. "O outro bloco (o anunciado por Cecchim) tem o PMDB e o PDT, que estavam juntos no governo. Por isso, pelo que temos visto na imprensa, acho que vão ser mais duros com o governo, até porque querem defender o legado da gestão anterior. Meu partido, por exemplo, não fazia parte do governo anterior, por isso não me sentiria à vontade defendendo aquela gestão", analisou Pinheiro. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia