Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h03.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

07/02/2017 - 14h52min. Alterada em 07/02 às 15h05min

Doria cumpre promessa e doa primeiro salário à entidade assistencial

A promessa do prefeito é doar os próximos 48 salários a instituições de caridade

A promessa do prefeito é doar os próximos 48 salários a instituições de caridade


Heloísa Ballarini/SECOM-PMSP/Divulgação/JC
O prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), doou o primeiro salário recebido no comando da maior cidade do País. A Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) foi a beneficiada com o cheque simbólico (em tamanho família) com o valor de R$ 17.948,00. 
Doria prometeu doar os próximos 48 salários a instituições de caridade. O vencimento de fevereiro deve ser destinado ao Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC). Em nota no site da prefeitura, o tucano motivou outros gestores a seguir o seu exemplo: "Mais do que tudo é um gesto positivo de exemplo de cidadania para que outras pessoas, empresários e instituições possam cooperar com estas associações que fazem um trabalho nobre, eficiente e correto."
Antes mesmo de ser eleito no primeiro turno da eleição de 2016, Doria disse que não precisaria do salário. "Tenho dinheiro suficiente para viver o resto da minha vida sem trabalhar (…) Quero seguir o exemplo de Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova Iorque", justificou, citando Bloomberg, que recebe apenas US$ 1,00 por ano, valor simbólico a ser pago segundo as regras norte-americanas.
A moda de desdenhar o salário também é seguida pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que avisou após ser eleito que abriria mão dos US$ 400 mil (cerca de R$ 1,368 milhão) por ano ou US$ 33,3 mil por mês (R$ 114 mil mensais) do vencimento do presidente da economia mais rica do planeta. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia