Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h05.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 27/02/2017. Alterada em 26/02 às 22h04min

Sal da terra

Christopher Goulart
Em um trecho do "Sermão de Santo Antônio", do Padre Antônio Vieira, deparei-me com uma revelação de alta doutrina de Estado, interpretado na palavra de Jesus Cristo aos apóstolos, que ora compartilho: "Vos estis sal terrae", (Vós sois sal da terra). Diz o Padre Vieira: "Não é necessária filosofia para saber que um indivíduo não pode ter duas essências". E prossegue: "Vos estis sal: porque o ofício há-se de transformar em natureza, a obrigação há-se de converter em essência, e devem os homens deixar o que são, para chegarem a ser o que devem". Quando me refiro, seguindo os ensinamentos apontados, que nesta lição está inserida uma "alta doutrina de Estado", aponto para a necessidade da transformação de cada cidadão, em homens e mulheres de fé, no sentido da convicção de que sempre podemos mudar o que somos. Atento à definição de São Cromácio, também citado no Sermão, diz ele que: "A matéria ou natureza do sal são três elementos transformados, os quais tendo sido fogo, ar e água, se uniram em uma diferente espécie, e se converteram em sal". Eis o ponto, certamente eivado de utopia. "Unirmos em uma diferente espécie", que fuja dos sentimentos mesquinhos, os mesmos que fazem parte de nosso ser, de andarilhos errantes e pecadores, para conquistarmos a consciência "do que devemos ser". Repensarmos o quanto dispendemos energias negativas e reciclarmos nossos pensamentos, cientes de que nosso caminho é finito, e por aqui devemos dar o melhor de nós. Temos muito a contribuir, seja dentro da família, em nosso trabalho, como também fazendo a diferença como cidadãos no círculo que movimenta um País. Aqui reside a revelação da alta doutrina de Estado. Sejamos "Sal da terra", lembrando sempre as palavras da Bíblia em Mateus 5, 13: "Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens". Vale refletir se queremos "ser insípidos", ou destituído de qualquer sabor desprovido de interesse. Eu, francamente, não quero! A reafirmação de que através da fé podemos deixar de ser o que somos para chegarmos a ser o que devemos. Vos estis sal terrae.
Primeiro suplente de senador (PDT-RS)
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia