Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h37.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Sul

27/02/2017 - 15h37min. Alterada em 27/02 às 15h38min

Oposição na Coreia do Sul ameaça abrir impeachment contra líder interino

Os principais partidos da oposição da Coreia do Sul ameaçaram, nesta segunda-feira (27), dar início a outro processo de impeachment no país, dessa vez contra o líder interino do país, o primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn. A ameaça ocorre após ele se recusar a autorizar uma investigação especial sobre o escândalo de corrupção que derrubou a presidente Park Geun-hye, que está afastada do cargo para ser julgada em processo de impeachment.
Se bem-sucedido, o impeachment do primeiro-ministro traria mais turbulência a um ambiente político já tumultuado e colocaria outro líder interino no comando do governo, enquanto o Tribunal Constitucional decidiria o destino de ambos, Hwang e Park, esta já sendo julgada.
Na segunda-feira, Hwang recusou um pedido da equipe de investigação para alargar o prazo de investigação, que vai até terça-feira. Um porta-voz de Hwang disse que a equipe liderada por Park Young-soo já denunciou os principais responsáveis no escândalo e que os promotores públicos podem olhar para outras áreas.
Os promotores dizem que a presidente Park permitiu que sua amiga confidente se intrometesse nos negócios do governo, e que as duas trabalharam juntas para extorquir empresas. Os três principais partidos liberais de oposição encabeçaram o processo de impeachment e prometem agora estendê-lo a Hwang.
Sua decisão de recusar o pedido da equipe de investigação mostra que ele está tentando "se tornar o escudo do Park para protegê-la e proteger seus aliados", disse Choo Mi-ae, líder do Partido Democrático. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia