Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de fevereiro de 2017. Atualizado às 18h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

21/02/2017 - 18h08min. Alterada em 21/02 às 18h36min

EUA deve revisar acordos comerciais com todos os países, incluindo Brasil

Na coletiva, Spicer evitou falar sobre questões políticas atuais do Brasil

Na coletiva, Spicer evitou falar sobre questões políticas atuais do Brasil


SAUL LOEB /AFP/JC
O governo dos Estados Unidos pretende revisar os acordos comerciais do país com todas as nações, incluindo o Brasil, afirmou o secretário de Imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, em coletiva de imprensa na tarde deste terça-feira (21).
Ao ser questionado sobre o que a administração do presidente dos EUA, Donald Trump, pensa dos acordos bilaterais com o Brasil, Spicer respondeu que o governo norte-americano "celebra" o relacionamento entre os dois países, mas que a nova administração fará uma reavaliação de todos os acordos comerciais dos EUA com outras nações.
Spicer ainda evitou falar sobre as questões políticas atuais do Brasil e disse que somente o Departamento de Estado pode tratar do tema.
Ainda na coletiva, o secretário de Imprensa voltou a afirmar que o governo espera divulgar um plano fiscal "nas próximas semanas", mas não entrou em detalhes. Trump já havia falado que o governo divulgaria o aguardado plano há duas semanas.
Spicer também comentou sobre a viagem do vice-presidente, Mike Pence, para a Europa, na última semana, que salientou a importância dos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) cumprirem suas obrigações comerciais. "Somos um dos únicos países da Otan que cumpre as regras comerciais do grupo", declarou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia