Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 13h31.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Notícia da edição impressa de 22/02/2017. Alterada em 22/02 às 10h34min

Catadores querem continuar atuando nas ruas de Porto Alegre

Uso do carrinho é principal fonte de renda de centenas de famílias

Uso do carrinho é principal fonte de renda de centenas de famílias


JONATHAN HECKLER/JC
Igor Natusch
A situação indefinida dos catadores de resíduos sólidos foi tema, ontem, de uma reunião na Câmara Municipal de Porto Alegre. Os trabalhadores querem reverter a proibição de veículos de tração humana nas ruas, que pode entrar em vigor a partir do mês que vem.
Originalmente, a lei proibindo a circulação de carroças e carrinhos na cidade, aprovada em 2008, entraria em vigor em 2016, depois de um período de transição dos catadores para outras atividades. No final do ano passado, foi aprovada a prorrogação do prazo por seis meses. Agora, o esforço da oposição na Câmara é ampliar novamente a data, jogando-a para 2022. A decisão, porém, precisa acontecer logo: a partir do dia 10 de março, a proibição de carrinhos já entra em vigor.
O vereador Marcelo Sgarbossa (PT), autor do projeto que ampliaria o prazo, considera a rápida tramitação do texto "possível", se houver interesse político. "O Programa Nacional de Resíduos Sólidos prevê a dispensa de licitação para a contratação de catadores pela prefeitura. Ou seja, poderiam contratar essas pessoas para o recolhimento de resíduos. Atualmente, a prefeitura está na contramão das políticas nacionais sobre o tema", critica.
Presidente da Associação de Reciclagem Ecológica da Vila dos Papeleiros, Antonio Carbonero chegou a fazer um dos cursos da prefeitura, o que o levou a um emprego na empresa Celulose Riograndense. No entanto, o projeto chegou ao fim cerca de um ano depois, e Carbonero, de 70 anos, voltou a trabalhar no carrinho. "É a nossa fonte de renda. É com o dinheiro do carrinho que colocamos os filhos no colégio, pagamos material escolar. O que vamos fazer sem ele? Quem vai dar trabalho para alguém com a minha idade?", questiona.
Na visão de Carbonero, a prorrogação é importante, mas o ideal é que a proibição deixe definitivamente de vigorar. "Se a prefeitura tivesse condições, deveria padronizar, nos contratar, dar carrinhos elétricos para nós. Mas não tem. Então, que nos deixe trabalhar. Todo carrinheiro é um pequeno ambientalista."
Alex Cardoso, do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, afirma que o projeto traz um "preconceito de origem", ao encarar o trabalho dos catadores como algo indigno. "Não é simples tirar uma categoria inteira da rua. Há anos, carregamos o meio ambiente nas costas. Ao invés de sermos perseguidos, deveríamos ser pagos e valorizados pela prefeitura", diz Cardoso.
Coordenadora do programa Todos Somos Porto Alegre, promovido pela prefeitura para capacitação e reinserção profissional dos catadores, Denise Souza Costa garante que os programas terão continuidade, seja qual for a data limite. Ela também defendeu os resultados do projeto, rebatendo críticas que o consideram distante dos reais anseios da categoria. "Não temos a ilusão de dizer que, em um prazo de dois anos, conseguiríamos resolver um problema que é histórico. Mas criamos uma lógica que sai da assistência social, rumo ao fomento do trabalho e da emancipação. A ideia é que essas pessoas sejam autônomas, que não dependam do governo para sobreviver, mas que tenham oportunidades", reforça.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
José Luiz Cabral 22/02/2017 09h27min
O problema dos catadores é a absoluta falta de bom senso com o meio ambiente. Descartam na rua tudo que não interessa. Veja o exemplo daquela "excrecência" que é a Vila dos Papeleiros. Virou um antro de sujeira, prostituição, tráfego de drogas e tudo de ruim para a Capital. Fonte de bandidagem que assaltam no centro. A ruína total da já sucumbida Voluntários da Pátria.