Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 10h03.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

09/02/2017 - 18h39min. Alterada em 09/02 às 18h39min

Protesto de servidores no Rio gera novo confronto entre manifestantes e polícia

Tiros de bala de borracha e jatos d'água foram utilizados pelas forças de segurança para dispersar manifestantes

Tiros de bala de borracha e jatos d'água foram utilizados pelas forças de segurança para dispersar manifestantes


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
Folhapress
Manifestantes contrários à privatização da empresa de saneamento Cedae entraram em confronto com a polícia na tarde desta quinta-feira (9) em frente à Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).
Dentro do edifício, deputados de oposição manobram para atrasar o início das discussões do projeto de lei sobre o tema, que estava agendado para às 15h, mas foi adiado para sessão extraordinária às 19h.
O conflito começou por volta das 15h30min. Manifestantes lançaram fogos em direção à polícia, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral. Tiros de bala de borracha e jatos d'água foram utilizados pelas forças de segurança para dispersar a manifestação.
O início do conflito ocorreu na frente da Alerj. À medida em que a PM dispersava o protesto, os servidores se dirigiram para a avenida Rio Branco, a principal do centro do Rio.
O trânsito foi totalmente interrompido e as lojas fecharam as portas. O VLT parou de circular. Uma loja teve o vidro depredado. O conflito diminuiu de intensidade por volta das 17h.
O prédio da Alerj está cercado por grades e protegida por forte aparato policial desde o final de 2015, quando começaram a ser debatidas medidas para enfrentar a crise financeira do estado.
Dentro da Alerj, parlamentares e assessores tiveram que recorrer a máscaras diante do forte cheiro de gás de pimenta.
A oposição chegou a pedir a suspensão dos trabalhos, mas não foi atendida pelo presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB).
A base do governo na Alerj tenta concluir na tarde desta quinta-feira (9) a avaliação de 27 vetos do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) a projetos aprovados na Casa.
A oposição tem alongado seus discursos no intuito de retardar o fim das avaliações, que estão trancando a pauta de votações e impedem o debate sobre a Cedae.
"A privatização da Cedae tem como único objetivo salvar o governo Pezão. Não é para salvar o Rio", acusou o deputado Marcelo Freixo (PSOL), alegando que trata-se de uma empresa lucrativa. O projeto de lei permite ao governo usar as ações da Cedae como garantia para tomar novos empréstimos, no valor de R$ 3,5 bilhões.
A venda da empresa é também uma condição para que o Rio esteja apto a negociar com a União um acordo de recuperação fiscal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Aldo Fibra 09/02/2017 20h59min
Baderneiros ! Lei neles.nnPara manifestante é requisito não quebrar nada!