Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Atualizado às 13h33.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Alterada em 09/02 às 14h38min

Inep amplia prazo de consulta pública do Enem até o dia 17

Agência Brasil
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Nacionais Anísio Teixeira (Inep) ampliou o prazo da consulta pública sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) até o dia 17 de fevereiro. A consulta foi aberta no dia 18 de janeiro, pela internet, e terminaria amanhã (10).
Qualquer pessoa pode participar. O Inep enviou um e-mail convidando os 6,1 milhões de participantes do Enem 2016 para opinarem sobre aspectos que podem ser mudados no exame. Até as 10h de hoje (9), 414 mil pessoas participaram da consulta pública.
Com base nas respostas, o Ministério da Educação (MEC) poderá modificar o exame ainda este ano. Uma das principais mudanças poderá ser aplicação das provas em apenas um dia. Atualmente, o Enem é aplicado em dois dias - um sábado e um domingo. A prova seria menor e teria, no máximo, 100 questões - hoje são 180.
Na consulta pública, disponível na internet, há quatro questões sobre o Enem. Em uma delas a pessoa define o formato, de um ou dois dias. Sendo dois dias, ainda é possível sugerir se as provas devem ser aplicadas em dois domingos ou mesmo em um domingo e uma segunda-feira, que seria feriado escolar.
Uma das questões é livre para que a pessoa dê as próprias sugestões. E a última pergunta é sobre a realização do Enem por computador. A ideia não é nova e vem sendo discutida desde 2012. No entanto, o ministro da Educação, Mendonça Filho, já disse que é inviável executar uma mudança como essa neste ano, e que pode haver, no máximo, testes de aplicação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia