Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h33.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino

Alterada em 05/02 às 16h37min

Escolas já podem se inscrever na olimpíada de astronomia deste ano

Agência Brasil
Estão abertas as inscrições para escolas que desejem participar da 20ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). As inscrições se estenderão até 19 de março. Na avaliação do coordenador nacional da OBA, o físico João Batista Garcia Canalle, 2017 é um ano especial. "Não é todo dia que uma olimpíada científica faz 20 anos de existência no Brasil, sem interrupções".
Canalle admitiu, porém, que, com a situação de dificuldades econômicas por que passa o país, com redução de verbas destinadas a instituições científicas, as perspectivas não são muito animadoras no objetivo de ultrapassar 1 milhão de alunos inscritos este ano, pela falta de recursos para divulgação. "Por outro lado, a gente está mantendo a animação, fazendo divulgação pela mídia, para tentar envolver mais escolas e manter, pelo menos, 800 mil alunos por ano, que é a nossa média há quase dez anos", disse.
O coordenador sublinhou a importância da astronomia e astronáutica para os estudantes dos ensinos fundamental e médio. A primeira questão, segundo Canalle, é a consciência global. "As pessoas acham que planeta é uma coisa que está no céu. No entanto, esquecem que moram em um planeta, a Terra, que está também no céu. Mas as pessoas não têm essa percepção. Ao desconhecerem isso, não percebem que esse é o nosso lar. Não tem como nós morarmos em outro planeta do sistema solar, exceto talvez Marte, com muito recurso e em um futuro muito distante, e com muita tecnologia".
O coordenador nacional disse que a olimpíada visa despertar as crianças e jovens para a importância de bem conservar o planeta Terra. "Aqui é o nosso lar, dependemos dessa estrela [o sol], a lua tem a sua importância na estabilidade da orientação do eixo de rotação da Terra, favorece o movimento das massas oceânicas com as marés. Ou seja, nós somos seres planetários e, no entanto, por ignorância, pensamos que ainda vivemos em um mundo de terra plana".

Em 20 anos olimpíada superou marca de 8 milhões de participantes

A olimpíada ocorrerá, em uma única fase, no dia 19 de maio. Escolas públicas e particulares de todo o país podem se cadastrar pelo site www.oba.org.br. Nesses 20 anos de existência, a olimpíada superou a marca de 8 milhões de participantes.
A cada ano, são distribuídas cerca de 40 mil medalhas. Na edição de 2016, a olimpíada teve a participação de 744.107 estudantes de 7.915 escolas de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal.
A olimpíada gerou a Mostra Brasileira de Foguetes, que tem em torno de 90 mil participantes por ano e também está com inscrições abertas. O mostra avalia a capacidade dos estudantes de construir e lançar, o mais distante possível, foguetes feitos de garrafa pet, tubo de papel ou canudo de refrigerante.
Os melhores classificados na olimpíiada representam o país nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica de 2018. Os participantes concorrem ainda a vagas nas Jornadas Espaciais, que ocorrem em São José dos Campos (SP).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia