Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 08h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

28/02/2017 - 19h48min. Alterada em 01/03 às 08h23min

Fnac afirma que deixará de operar no Brasil e procura parceiros

Uma das 12 lojas que a rede tinha em fim de 2016 fica no BarraShoppingSul em Porto Alegre

Uma das 12 lojas que a rede tinha em fim de 2016 fica no BarraShoppingSul em Porto Alegre


CARLOS MACEDO/DIVULGAÇÃO/JC
A Fnac, rede francesa de lojas de produtos eletrônicos, culturais e eletrodomésticos, informou nesta terça-feira (28), em balanço, que deixará de operar no Brasil. Segundo o balanço, as operações da rede no Brasil somavam 12 lojas em dezembro de 2016. Uma delas fica no BarraShoppingSul em Porto Alegre, onde a rede opera a unidade desde novembro de 2008.
"A subsidiária brasileira foi classificada como operações descontinuadas, uma vez que o grupo iniciou um processo de busca por parceiros que podem levar a um desengajamento do país", diz a empresa no documento.
O balanço, que já considera o Brasil como uma operação descontinuada, registra lucro líquido de 54 milhões de euros em 2016, crescimento de 36,7% em relação a 2015. As receitas, por sua vez, avançaram 2%, para 7,14 bilhões de euros.
O documento traz também comentários do CEO global da rede, Alexandre Bompard, que classificou os resultados do ano passado como "sólidos". "Todos os indicadores são saudáveis. A força do nosso modelo de negócio e a robustez da nossa posição financeira são como o novo grupo começa sua história", disse, em alusão à aquisição da Darty.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia