Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Alterada em 28/02 às 18h04min

Mozilla compra Pocket, aplicativo que salva links para ler depois

A Mozilla, dona do navegador Firefox, anunciou nesta terça-feira (28), a aquisição do Pocket, serviço que permite salvar link para ler ou assistir depois. Sem revelar o valor da transação, as duas companhias afirmaram que permanecem com atuações independentes e que não devem acontecer alterações no aplicativo de links.
"O Pocket continuará como o subsidiário independente da Mozilla. Estaremos em nosso escritório, e nosso nome ainda estará na parede. Nossa equipe não vai mudar e nosso objetivo está mais claro do que nunca", afirmou o presidente executivo e fundador da Pocket, Nate Weiner, por meio de seu blog oficial.
Esta é a primeira aquisição oficial da Mozilla, que até então não tinha investido em outras plataformas e aplicativos. Segundo o site de tecnologia The Verge, a ideia é fortalecer a presença nos dispositivos móveis, já que a companhia não possui um navegador com grande fatia de mercado e fracassou com o sistema operacional Firefox OS, voltado para aparelhos de baixo custo.
A relação entre o Pocket e a Mozilla é de longa data: o aplicativo de salvar links e tornou nativo no navegador Firefox em 2015, por meio de um botão para salvar artigos e vídeos. Atualmente, o serviço de leitura já tem mais de 10 milhões de usuários ativos por mês e mais de 3 bilhões de links salvos. Até sua compra pela Mozilla, o Pocket havia levantado US$ 14,5 milhões em investimentos e tinha uma equipe de 25 funcionários, que continuam a trabalhar no aplicativo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia