Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 28/02 às 15h01min

Irã sai de recessão após acordo nuclear, mas incerteza persiste, diz FMI

A economia do Irã saiu de uma recessão após o acordo nuclear com as potências mundiais, afirmou nesta terça-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI), embora o país possa enfrentar dificuldades fiscais causadas pela incerteza sobre futuras sanções e problemas que os bancos domésticos poderiam enfrentar.
O Produto Interno Bruto (PIB) do Irã cresceu 7,4% no último ano, impulsionado pela rápida reinserção do petróleo iraniano no mercado internacional, de acordo com o FMI. A inflação também caiu para um dígito, enquanto o crescimento do PIB deverá se estabilizar em torno de 4,5% ao ano, disse o FMI.
No entanto, os iranianos comuns ainda não viram nenhum dos benefícios do acordo nuclear, que consistiu no fim de algumas sanções internacionais levantadas em troca de restrições ao programa nuclear do Irã. Enquanto isso, as preocupações persistem em relação a medidas prometidas pelo presidente dos EUA, Donald Trump.
"O fim das sanções internacionais e a ambiciosa agenda de reformas (do Irã) ainda não produziu impacto benéfico total sobre a economia iraniana", afirmou Jafar Mojarrad, um diretor executivo do FMI, em relatório. "Infelizmente, as demais sanções dos EUA e a incerteza têm dificultado o acesso de bancos internacionais ao mercado iraniano e continuam a dificultar o investimento e comércio".
O FMI estima que o Irã perdeu US$ 185 bilhões em receita da produção de petróleo devido às sanções, adotadas desde 2011. Desde então, os preços globais do barril de petróleo caíram mais de US$ 100, em meados de 2014, antes de atingir o patamar abaixo de US$ 30 em aneiro de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia