Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

28/02/2017 - 14h36min. Alterada em 28/02 às 14h41min

Cobre recua em Londres e Nova Iorque, à espera de discurso de Trump

Os futuros de cobre operam em baixa em Londres e Nova Iorque nesta manhã, com os investidores à espera de um discurso do presidente dos EUA, Donald Trump, que poderá citar detalhes sobre seus planos para gastos em infraestrutura.
Por volta das 8h45 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,3%, a US$ 5.921,50 por tonelada.
Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em maio tinha baixa de 0,26%, a US$ 2,6910, às 9h10 (de Brasília).
Trump irá falar ao Congresso no fim da noite de hoje e quaisquer propostas específicas sobre investimentos em infraestrutura podem mudar a percepção dos mercados para a oferta e demanda por metais básicos.
Outros comentários de Trump também podem influenciar os metais de forma indireta, ao pressionar ou impulsionar o dólar.
Segundo a corretora Marex Spectron, os preços do cobre ainda são sustentados por questões de oferta, como a greve em andamento na mina chilena de Escondida, a maior do mundo e de propriedade da BHP Billiton, e o impasse entre a Freeport-McMoRan e o governo indonésio sobre uma licença de exportação para a mina de Grasberg.
O cobre também é favorecido pela tendência de queda nos estoques da LME, apontou a corretora.
Entre outros metais na LME, o viés era majoritariamente positivo. O alumínio subia 0,1% no horário acima, a US$ 1.899,50 por tonelada, enquanto o chumbo avançava 0,8%, a US$ 2.277,00 por tonelada, o estanho ganhava 0,7%, a US$ 19.150,00 por tonelada, e o zinco tinha alta de 0,6%, a US$ 2.827,50 por tonelada. Já o níquel recuava 0,5%, a US$ 10.975,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia