Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

VAREJO

Alterada em 24/02 às 15h29min

Grupo Pão de Açúcar: projeção para 2017 é margem bruta estável no Multivarejo

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) espera estabilidade na margem bruta de sua divisão Multivarejo, que reúne bandeiras como Pão de Açúcar e Extra. Em teleconferência com analistas e investidores, o vice-presidente responsável pela divisão, Luis Moreno, considerou que a rede está sendo mais "assertiva" em suas promoções, o que favorece as margens.
"A projeção para 2017 é estável e a margem tem uma possível melhoria por conta da otimização da precisão das promoções", concluiu. "Estamos desenvolvendo ferramentas que vão nos ajudar a ser mais assertivos nesses investimentos promocionais", acrescentou.
O executivo ainda considerou que a companhia tem mantido controle de despesas, de forma a esperar "entregar nível de Ebitda com progressiva melhoria ao longo do ano".
O lucro bruto do Multivarejo caiu 5,5% no quarto trimestre de 2016 ante igual período do ano passado, ficando em R$ 2,014 bilhões. A margem bruta do negócio recuou 2,1 pontos porcentuais, para 26,9% entre outubro e dezembro.
O presidente do Grupo Pão de Açúcar (GPA), Ronaldo Iabrudi, afirmou que a companhia ainda não espera pela frente uma retomada da economia brasileira ou das vendas do varejo como um todo. Em teleconferência com analistas e investidores, ele declarou, porém, que o grupo varejista acredita em um melhor desempenho de vendas este ano.
"Não estamos vendo ainda retomada da economia nem do varejo", comentou. "Há alguns indicadores bastante positivos, por exemplo, de taxa de juros e redução da inflação. Do outro lado, ainda não estamos vendo redução do nível de desemprego", concluiu.
Iabrudi avaliou, porém, que a companhia tem projetos em andamento que devem permitir uma melhora do desempenho das vendas.
O executivo destacou sobretudo a divisão de negócios que compreende as bandeiras Extra e Pão de Açúcar. Houve queda nas margens dessa divisão em 2016, mas o presidente do grupo considerou que a companhia trabalha para melhorar a rentabilidade do negócio.
"Vamos continuar trabalhando para que tenhamos aumento das vendas e que esse volume dilua os custos fixos da companhia", destacou Iabrudi, completando que assim espera conseguir aumentar ao longo do ano de 2017 a rentabilidade do negócio do multivarejo.
Ronaldo Iabrudi afirmou que a companhia está conduzindo "da forma mais competitiva possível" o processo de venda de sua rede de varejo de eletroeletrônicos, a Via Varejo. O executivo considerou ainda que o processo está sendo feito com "calma e cuidado". "Estamos conduzindo da maneira que seja o mais competitivo possível e com toda a calma e cuidado que um processo de M&A exige", declarou.
Iabrudi afirmou que a venda da Via Varejo, que opera as bandeiras Casas Bahia e Pontofrio, vai permitir que o grupo se concentre "de forma mais acentuada" no negócio de varejo alimentar.
Ao iniciar a apresentação dos resultados do quarto trimestre de 2016 do grupo, Iabrudi ainda destacou que, dentro do negócio de varejo de alimentos, a companhia tem se concentrado nos negócios de maior retorno. Ele destacou o foco na rede de "atacarejo" Assaí e na bandeira de minimercados Minuto Pão de Açúcar.
Nesta sexta-feira, o Grupo Pão de Açúcar (GPA) reportou uma piora no lucro bruto de sua principal divisão de varejo alimentar, o multivarejo.
O lucro bruto caiu 5,5% no quarto trimestre de 2016 ante igual período do ano passado, ficando em R$ 2,014 bilhões. A margem bruta do negócio recuou 2,1 pontos porcentuais, para 26,9% entre outubro e dezembro.
O comportamento da margem bruta da companhia tem sido um ponto de atenção para analistas diante da nova estratégia comercial da empresa na rede Extra. No esforço para recuperar as vendas sobretudo em hipermercados do Extra, o GPA implementou programas que resultam numa estratégia de preços mais agressiva.
Em sua divulgação de resultados, a companhia afirmou, porém, que o atual patamar de margem "reflete um nível de competitividade já adequado".
A companhia destaca que houve recuperação das vendas nos hipermercados. As vendas líquidas na bandeira Extra aumentaram 2,2% no quarto trimestre de 2016 ante os mesmos meses de 2015, reportou a companhia. Trata-se de reversão de queda que vinha sendo registrada em trimestres anteriores.
No acumulado do ano, o resultado ainda fechou negativo e o Extra teve um recuo de 1,5% nas vendas. O GPA ressalta que o porcentual de crescimento no critério mesmas lojas foi ainda maior no trimestre, de 4,2%. Por este critério, são levadas em conta apenas lojas abertas há mais de um ano, o que exclui o impacto de lojas fechadas.
O GPA informou ainda que realizou investimentos de R$ 1,241 bilhão na operação de varejo alimentar em 2016, queda de 10,3% na comparação com o ano anterior. Em sua divulgação de resultados do ano, a companhia destacou aportes em inaugurações de lojas.
A área de vendas no varejo alimentar aumentou 0,5% no ano, para 1,814 milhão de metros quadrados.
Em número de lojas, porém, houve retração. A companhia inaugurou 28 pontos de venda e fechou 60. A maior parte das aberturas ocorreu nas bandeiras Minuto Pão de Açúcar e Assaí, enquanto os fechamentos se concentraram na rede Minimercado Extra, com 41 lojas fechadas, e supermercado Extra, com 5 fechamentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia