Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 22/02 às 17h58min

Petróleo cai com temores sobre alta dos estoques nos EUA e dólar forte

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta quarta-feira (22) encerrando um rali de três pregões com a alta do dólar e também na expectativa por dados dos estoques norte-americanos, que têm subido fortemente nas últimas semanas.
Na Intercontinental Exchange (ICE), o contrato para abril do Brent encerrou em queda de 1,44%, a US$ 55,84 por barril. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para o mesmo mês caiu 1,36%, a US$ 53,59 por barril.
Os preços da commodity foram afetados nesta sessão pela crescente preocupações sobre a produção de países não membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Em um evento em Londres, o ministro do Petróleo do Catar, Mohammed al-Sada, afirmou que a produção da Rússia, México e outros nove países que se juntaram ao esforço do cartel para impulsionar os preços no fim do anos passado cumpriram apenas 50% dos cortes previstos, jogando dúvidas, assim sobre a capacidade do acordo de efetivamente ajudar no reequilíbrio dos mercados.
Além disso, operadores aguardam dados dos estoques norte-americanos, que tiveram fortes altas nas últimas semanas, atrás de sinais de que a produção local esteja acelerando com os melhores preços. No fim desta tarde, a American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) divulga sua estimativa, que serve de indicador para o dado do Departamento de Energia (DoE), amanhã de manhã.
Outro fator que pressionou os preços foi o dólar, que operou em alta ante a maior parte das moedas até perto do horário do fechamento do pregão viva-voz dos contratos da commodity. A divisa norte-americana, no entanto, passou a cair após a divulgação da ata da última do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que deu um sinal menos "hawkish" do que muitos esperavam. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia