Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 22/02 às 17h36min

CUT lança 'aposentômetro' para calcular tempo que falta para benefício

A Central Única de Trabalhadores (CUT), uma das maiores do País, lançou nesta quarta-feira o "Aposentômetro", uma calculadora que permite aos trabalhadores simular a idade com que se aposentarão segundo as regras atuais e de acordo com a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo. A iniciativa foi feita em parceria com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
Para utilizar a calculadora, é preciso informar apenas o gênero, a data de nascimento e o tempo de contribuição já realizado ao INSS. O resultado apresenta três cenários: aposentadoria por idade, por tempo de contribuição (neste caso, o cenário pós-reforma extingue essa possibilidade, prevendo apenas por idade) e com o objetivo de receber o benefício integral.
A iniciativa é parte do movimento iniciado pela CUT contra a reforma da Previdência, cujo mote é "Reaja agora ou morra trabalhando". A central sindical já convocou atos para os dias 8 e 15 de março.
A reforma proposta pelo governo do presidente Michel Temer prevê a instituição de uma idade mínima de 65 anos e tempo mínimo de contribuição de 25 anos. O cálculo do benefício também deve ser modificado e passará a partir de uma base de 51%, acrescida de 1 ponto porcentual a cada ano de contribuição - ou seja, para ter direito à íntegra do salário de contribuição, será preciso trabalhar por 49 anos.
"O conjunto de medidas impõe tantas dificuldades e restrições que praticamente inviabiliza que amplas parcelas de trabalhadores e trabalhadoras consigam se aposentar", defende a CUT.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia