Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. Atualizado às 07h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/02/2017 - 08h18min. Alterada em 17/02 às 08h18min

Bolsa de Tóquio fecha em baixa pelo segundo pregão consecutivo

A Bolsa de Tóquio recuou pelo segundo pregão consecutivo nesta sexta-feira (17), à medida que perdeu força o entusiasmo inicial com a indicação da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, de que a instituição voltará a elevar juros nos próximos meses.
O Nikkei caiu 0,58%, encerrando o dia a 19.234,62 pontos. Ao longo da semana, o índice que reúne as ações mais negociadas na capital japonesa acumulou desvalorização de 0,74%.
Em depoimento de dois dias no Congresso americano, Yellen sinalizou esta semana que haverá mais aumentos de juros nos EUA ao longo do ano, ajudando a impulsionar os juros dos Treasuries e o dólar, movimento que favoreceu ações financeiras e de exportadoras no mercado japonês.
O "efeito Yellen", contudo, diminuiu e papéis de montadoras e do setor financeiro lideraram as perdas hoje em Tóquio. A Suzuki, por exemplo, teve queda de 2,8% e a Nomura Holdings, de 2%.
Já a Toshiba estendeu perdas recentes e caiu mais 9,2%, em meio a preocupações com sua saúde financeira, após uma bilionária baixa contábil na divisão de ativos nucleares.
A Sharp, por outro lado, avançou 2,8% após reduzir sua projeção de prejuízo para o ano fiscal que se encerra em março.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia